Confissão ao Luar


O poema que segue foi parido na noite de sábado passado, sob a maior lua da década, na mesa da garagem de casa, enquanto o cretino imperialismo yankee despejava uma chuva de mísseis sobre o povo líbio e fazia gracinhas no Brasil:

Confissão ao Luar

Plenilúnio prateado,
Que me chamas,

Na noite branca,
A sonhar e a viver,

Não exageres na tua claridade,
Que a noite é fria,
E o teu olhar marmóreo
Me arrepia até o menor pelo.

Contraditório és,
Tua brilhante luz,
Que se pretende sol,
Não nos aquece,

Antes conduz-nos ao negror profundo
Do sono em que mergulha-nos o ser.

Tu nos embalas, nos teus lençóis brancos,
Doce como um velho vinho,
Na embriaguez noturna,
Mas excita-nos,

A rubra cólera da revolução,
Qual transparente vodka.

Gravataí, 19 de março de 2011

Ubirajara Passos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s