O Causo da Mestiçagem Doméstica


O fato poderia simplesmente confirmar os preconceitos elitistas do “sociologismo” assistencialista (do tipo que vê padrões de comportamento sexual diferenciado e “desregrado”, assim como a falta de “planejamento familiar” nas camadas mais exploradas da classe trabalhadora). Ou poderia, mesmo, referendar uma nova versão da teoria da “democracia racial” brasileira.

Mas me parece, antes de mais nada, apenas uma amostra do quanto, apesar da liberdade sexual e falta de preconceito racial na própria escolha dos parceiros, ainda há muito de aceitação e introjeção não só do racismo, assim como da simples idéia de hierarquização dos seres humanos, e sua “valorização (como mercadorias levadas à exposição agropecuária) conforme os estereótipos “estéticos” e étnicos estabelecidos pela mídia burguesa (que reafirma, no imaginário do quotidiano as diferentes “funções” atribuídas aos diversos tipos de indivíduos que compõem o gado humano no escravismo capitalista pelos seus altos “proprietários”).

Moro numa “encruzilhada” da cidade que se encontra há uma quadra de um dos tradicionais bairros pequeno-burgueses (de sobradões e casas mais sofisticadas construídos com financiamento da Caixa Econômica Federal ou do IPERGS, o sisltema previdenciário oficial do funcionalismo público do Estado do Rio Grande do Sul, nos anos 1980), assim como a algumas quadras de antigas vilas populares construídas pelo Estado (as CoHabs) e de verdadeiras favelas (como o Morro do Coco).  E há umas três semanas ía passando pela Travessa Jardim (localizada no antigo bairro popular Vila São José), próximo à Escola Municipal Cincinato Jardim do Vale, quando ouvi o diálogo, no portão de uma velha casinha de madeira, entre a dona da casa (uma morena de feições indígenas, nos seus quarenta e tantos anos) e uma vizinha.

A matrona, cercada de uma meia dúzia de crianças, das mais diversas idades, dizia, entusiasticamente, à amiga, se dando como exemplo: “Faz como eu. Tenho um filho de cada cor. Tenho um loirinho, um preto, duas morenas!”

E, no meio da conversa, ouvi saltar, irônico, o loirinho, de pé no chão e calção jeans desbotado, que não devia ter mais de dois aninhos: “Mãe! Que preto? Este aí é nego mesmo!” Com o que não se agüentou uma das gurias, aparentando uns sete anos, e foi logo gritando, indignada: “Morena? Eu sou branca, mãe!”.

Ubirajara Passos

Anúncios

“Causo” bizarro de uma patricinha funcionária de um banco multinacional que foi de “tailleur” ao boteco:


Diz o velho aforismo que “cabeça desocupada é oficina do diabo”. Pois é o que parece que me aconteceu ontem, lá pelo meio-dia, entre uma navegada pela internet e uma ou outra risada gostosa e moleque da Isadora, brincando comigo – que acabou por desaguar no poeminha cretino e safado que segue, daqueles da série “sacanagens sociológicas empíricas da pequena-burguesia”:

“Causo” bizarro de uma patricinha funcionária de um
banco multinacional que foi de “tailleur” ao boteco:

Andava muito enjoada
De festinhas fashion, teatro,
Exposições e frescuras,
E, desejando loucuras,

Foi ao bar, sentou na mesa,
Logo veio um cafajeste
Com aquela conversa mole,
Lhe elogiou muito a beleza
E o papo intelectual
E convidou-a a beber.

Abobalhada com o tipo,
Tomou quatro uísques duplos
E acordou com hemorróidas.

Não sabia, até então,
Que “líquido alcoólico com gelo”,
Quando empinado em excesso,
Dor no cu causar pudesse.

Gravataí, 12 de novembro de 2009

Ubirajara Passos

O Terror “Branco” das Cobranças Telefônicas


Como qualquer trabalhador deste país, desde que torrei uma poupança acumulada na mais absoluta restrição de diversões, na década de 1990, tenho vivido mais ou menos no pendura, encerrando um empréstimo aqui e contratando outro ali.

O casamento, de um ano para cá, aliado à condição de funcionário público com crônica defasagem salarial, que não cai da casa dos 50%, acabou por piorar um pouco as coisas, me forçando a pagar as contas atrasadas e deixar atrasar as vigentes.

Mas o que me cadastrou definitivamente no clube dos encalacrados do Brasil foi a  “punição administrativa” sofrida ultimamente (cujas raízes podem ser conferidas tanto em matérias deste blog, como “50 dias de Silêncio”, assim como no blog do Movimento Indignação). A suspensão de 60 dias, sem salário praticamente nenhum, me forçou, simplesmente, a decretar moratória unilateral e absoluta de todo e qualquer débito que não envolvesse despesas essenciais como aluguel ou conta de luz. Até mesmo o telefone fixo e alguns cartões de crédito ou de supermercado, assim como o buteco da esquina, foram simplesmente eliminados do orçamento mensal.

O resultado imediato foi a reação violenta e radical dos credores, que caíram em cima de mim como lobos famintos, tentando roer as últimas lascas de ossos que possam ter restado de dois meses sem salário praticamente nenhum! Mas se os leitores estão imaginando que a coisa foi feita de forma forte, mas “civilizada” se enganam muito e provavelmente nunca passaram pela situação de deixar passar uns três dias sem pagar aquela conta vencida com as lojas “calombo” da vida (situação em que, invariavelmente, o estabelecimento faz questão de ligar para o teu próprio trabalho).

Ao invés de me executarem judicialmente, justamente os credores de maior porte (grandes redes de supermercado estrangeiras, companhias multinacionais de telefonia, bancos internacionais, etc.), passaram a me atormentar umas vinte vezes por dia cada um, se utilizando exatamente da mesma tática de agiotas de favela, senhorios de cortiço ou traficantes de vila popular: a coação verbal pura e simples.

A única diferença é que, ao invés de praticá-la pessoalmente, como o dono de cortiço, o  fazem via telefone (celular, residencial, ou mesmo o do trabalho, antes de iniciar minha “suspensão”). E de que, ao contrário do agiota bronco, os funcionários encarregados da tortura mental são os perfeitos assediadores sutis, treinados para nos dobrar com a chatice da insistência infinda.

São capazes de bater recordes de mais de hora e meia de diálogo, se a vítima se prestar a tanto, o que prova, pelo custo da ligação, que o problema não é tanto o eventual prejuízo da inadimplência, mas a necessidade essencial de impedir o rompimento com o comportamento de “cumprimento dos compromissos financeiros”, a “honestidade” e os remorsos de inadimplência… por parte da peonada, que para os patrões milionários isto não vale.

Assim é que, apesar da minha vagabundagem forçada, me vi mais ocupado, durante o dia, em dar desculpas aos cobradores eletrônicos de plantão, do que o fazia com minhas tarefas diárias. O que me forçou a simplesmente não atender mais nenhum telefonema cujo número registrado pela “bina” estampasse os prefixos de Curitiba, Rio de Janeiro ou São Paulo, de que resulta invariavelmente aquela lenga-lenga moralista e sutilmente ameaçadora em sotaque nordestino ou ítalo-paulistano (nada contra tais etnias, mas sim com a xaropice infeliz de que seus membros empregados no telemarketing são involuntariamente os portadores).

Mas, mesmo assim, a tortura continua (tão devastadora e desmoralizante quanto ter os ossos esticados por um inquisidor medieval numa daquelas máquinas de cordas e alavancas), e colabora para derrubar completamente a carga da bateria do meu celular, que não agüenta mais uma jornada de vinte e quatro horas debaixo da saraivada de credores. Fui obrigado, mesmo, a salvar seus números, classificá-los em grupo próprio, e lhes atribuir a campainha mais chata que possui o meu Nokia, para não perder tempo atendendo-os, o que não eliminou o stress e o sobressalto de ouvir suas ligações dezenas de vezes ao dia.

É evidente que uma ação judicial de dano poderia me “indenizar” futuramente o incômodo absurdo (e até me tirar do encalacramento, tamanho é seu volume), mas o fato é que um pobre peão falido neste país não tem a menor chance de respirar tranqüilo e longe de seus algozes, quando, depois de se esfolar trabalhando por salário parco, se vê perseguido pelas contas impossíveis de pagar que acaba fazendo para poder tentar sobreviver com um mínimo de dignidade.

E o menos óbvio, mas mais certo, nesta história toda é que esta cobrança de dívida na mão (ou no “orelhão”) grande, digna dos piores agentes “lumpen-burgueses” da periferia do sistema capitalista, realizada por grandes corporações transnacionais revela apenas a face mais pérfida e fundamental do escravismo assalariado em nossos dias, especialmente no Brasil, onde o Inácio dos Nove Dedos tratou de implantar o partido único da ditadura do todo poderoso grande capital privilegiado sob sua régia demagogia mensaleira e esmoleira, eliminando qualquer oposição partidária efetiva.

O fato é que o que distingue o burguês de punhos de renda e proprietário de jatinho do dono de barracos de aluguel que transita num Opala 80 é apenas a marca do cigarro que fumam e o vocabulário. Pois a burguesia possui uma natureza insaciável e tão sádica e vulgar quanto a de qualquer outra classe dominante de qualquer rincão do mundo conhecida na História Humana. E só não se assanha como um pit bull faminto quando encontra a oposição concreta e radical da esquerda revolucionária, disposta a garantir uma vida de gente para os trabalhadores mediante a separação das cabeças “coroadas” dos senhores burgueses de seus respectivos pescoços. Com o discurso (e sobretudo a prática) bunda-mole de resistência incorporados pela esquerda tradicional mundo a fora depois da “queda do Muro de Berlim” (que comemora vinte anos neste mês), o resultado não poderia ser outro que o retrocesso necessário e o estabelecimento da ditadura fascista explícita (que no Brasil começa a se tornar mais nítida com as graves violações do direito à liberdade de expressão que vem sendo protagonizados, cada vez mais, no último ano, pelos poderes públicos de todos os níveis da federação, vide o caso da censura às denúncias contra a corrupção de Sarney).

Assim, não nos admiremos nadinha, mas nem um pouco mesmo, se qualquer dia estiver legalizado o uso do açoite no tronco em praça pública para o pobre peão que cometer o crime imperdoável e hediondo de se atrasar dez minutos no trabalho (“roubando” o precioso tempo do lucro do burguês) e ainda cometer o disparate de rir no meio do expediente.

Ubirajara Passos

O ASSASSINATO DE CRISTO – IX


 

Parte final do último capítulo de “O Assassinato de Cristo”, do mestre Wilhelm Reich (o descobridor do orgone):

O novo líder terá de aprender a dar sabiamente com circunspecção. Caso contrário, as pessoas tomá-lo-ão por uma pessoa crédula e farão dele um tolo com profundo desprezo por seus procedimentos. Será saudado como a “galinha dos ovos de ouro”, para ser deglutida dentro de estômagos vaizos. Amenos que estejas preparado para encontrar coisas ainda piores do que as que ousaste imaginar, nunca tentes salvar vidas ou proteger crianças. Parecerás apenas um tolo ou, o que é pior, um criminoso aos olhos de muitos juízes: “Isso não se faz”. Amor sem interesse simplesmente não é deste mundo; mas o novo líder terá de juntar muito amor. O amor se tornou sem lar numa era sem amor, em que a política rege os acontecimentos. Tudo isto o novo líder terá de reconhecer e sofrer.

Um espaço vazio se desenvolverá ao seu redor quando as pessoas sentirem que ele representa a Vida e é um doador de Vida. Sentir-se-á ferido, passará pela agonia de ser alvo de ódio por atos de amor; e ele mesmo será tentado a odiar por todo esse desempenho horrível. A desconfiança das pessoas e a necessidade de vingança ameaçarão envenenar sua alma. Desta forma, muitos cairão e serão perdidos como líderes. As próprias pessoas terão feito isto aos seus líderes, que se sentirão como ratos em armadilhas bem armadas, como tolos e imprestáveis. Apenas muito poucos sobreviverão.

O povo isolará e colocará o líder de quarentena, de muitas maneiras. Uma mandeira de levá-lo à solidão é adorá-lo, amontoar-se ao seu redor, pendurar-se em seus lábios e beber cada palavra que pronuncie. Alguns líderes gostam disto. Outros correm quando se defrontam com isso. Sentem-se como animais no zoológico, contemplados por multidões que se admiram que os animais não tenham desenvolvido vergonha de seus genitais. As pessoas são capazes de despir o líder quando se amontoam ao seu redor, para descobrir cada um de seus segredos: quantas mulheres ele come no jantar, se ele nada e se joga bridge, se tem filhos ilegítimos, ou se sua esposa tem um amante.

A multidão isolará e, eventualmente, matará o líder, focalizando nele o holofote, no sentido figurado e literal. Amarrá-lo-ão e torná-lo-ão impotente, criticando cada um de seus movimentos sem que eles mesmos movam um só dedo na prática. A constituição não garante o direito de livre discurso? Essas pessoas não são pessoas livres de uma terra livre? Não importa qual terra; elas sempre se sentem livres, ou recém-libertadas ou prestes a mergulharem na liberdade. E o que elas querem é saltar fora da camisa-de-força do casamento por apenas uma noite, ou sair de férias, ou dormir enquanto outros trabalham no escritório num dia quente de verão, numa grande cidade fumacenta.

Tudo isso estaria certo se não matasse cada movimento de uma mente verdadeiramente livre. A fim de sobreviver, o líder terá de evitar toda esta contemplação e crítica e não fazer nada além de tagarelar e foder. E lentamente, penosamente, aprenderá a ver o vazio completo das pessoas que é abafado por muito barulho, um barulho que é feito para desviá-las da sensação corrosiva do absolutamente nada. Deste nada só pode brotar a malignidade. O líder saberá disto e sentir-se-á como alguém que se está afogando num oceano de tarefas impossíveis de realizar.

O isolamento que ele sofre nas mãos das pessoas ao seu redor colocará em perigo sua saúde e sua capacidade de trabalho. Perderá o direito de viver uma vida normal entre as outras pessoas. Enquanto as pessoas têm toda a compreensão pelos segredos dos casais, casados ou não, elas olharão de lado quando o líder mudar de parceira ou viver em desacordo com o padarão ignóbil de conduta de algum estatuto. O líder aprenderá que se nega a ele aquilo é tomado como natural no caso do cidadão comum. Ele achará cada vez mais difícil mover-se livremente com parceiras. Terá de começar a se esconder. E esconder afastará muitas parceiras que desejarão desfilar entre a multidão com o amante, que é um “líder.

Coisas como essas porão em perigo a estrutura inteira do trabalho do líder. Ele correrá o perigo de se tornar moroso ou de ficar chocando num buraco, incapaz de produzir pensamentos, tornando-se, assim, um Calígula ou um proletário com a boca cheia de slogans-do-mascate-da-liberdade. OS LÍDERES DOS HOMENS TERÃO DE VIVER UMA VIDA AMOROSA PLENA, SADIA, GRATIFICANTE, COM MULHERES QUE COMPREENDAM AS MANOBRAS DA VIDA. Para realizar seu trabalho, o líder deverá evitar o emaranhado de uma vida familiar estúpida, barulhenta. Neste ponto ele estará alinhado com Cristo, que deixou sua família e solicitou que seus seguidores fizessem o mesmo. Mas em nenhuma circunstância pregará a dissolução da família, como alguns mascates da liberdade tendem a fazer. Ele terá e amará crianças, as suas e as dos outros. Saberá que aquilo que é válido para sua vida nem sempre é válido para a vida de todos os demais. A qualquer preço, o novo líder terá de manter um sistema emocional puro, e ele fará gtudo para escapar da sujeira da alma que acompanha a privação sexual. Seus sentidos e seus pensamentos devem permanecer afastados das desvastações da abstinência do amor corporal gratificante.

Mantendo o núcleo  de seu ser vivo constantemente acelerado, será capaz de penetrar através das intrigas e chás e e reuniões sociais e tapinhas nas costas e piadas sujas e fodas dos homens e mulheres na rua e nos palácios, até o núcleo de suas emoções vivas. Conseguirá eventualmente descobrir por que tantas pessoas dotadas de todos os tipos de potencialidade caem, mais ou mais tarde, na rotina de uma vida estúpida. Por que existgem tão poucos pensamentos e ações produtivos bortando das pessoas; como toda a fertilidade das pessoas está sendo morta de tantas maneiras e tão cedo na vida, mesmo quando ela acaba de emergir do útero.

As pessoas não gostarão de ser levadas a sentir seus próprios núcleos vivos de emoções em movimento – não no cinema, mas vendo uma criança ser espancada num parque; não numa multidão que dança e empurra e arfa e se esfrega e transpira, mas nas favelas (slums) e nas regiões pobres das nações e nas grandes cidades onde porletários brancos matam proletários negros. Em suma, a tarefa de gerações de líderes de homens será encontrar caminhos para deter a evasão do essencial e a emoção barata que se sente quando se vêem rostos sangrando numa luta de boxe.

Da mesma forma que a atenção emocional das pessoas em geral terá de se voltar ou de ser voltada para o essencial, para que tudo não pereça, assim o novo líder também assumirá o encargo de fvoltar a maré para a concentração sobre o essencial na vida humana, e não sobre o tema tolo e deterioridado e sem sentido e há muito abandonado dos negócios públicos. A evasão do essencial seguiu as trilhas traçadas pela evasão geral e estabeleceu, através dos tempos, centros poderosos de dispersão das questões cruciais da vida, dotados de grande poder de se defender contra a intrusão de Cristo sob qualquer forma. Para confirmar isto, leia hoje as manchetes de qualquer jornal.

O novo líder dirá às pessoas que votar não é o bastante, e que exortar as pessoas a participar no governo também não é o bastante. Tudo isso começará nos ambientes da primeira infância e nas escolas maternais e nos jardins de infância e nas escolas. Os superintendentes de escolas corajosos, conscientes, serão apoiados contra os professores ossificados. Os caminhos e meios da peste que mantém a Vida viva longe das escolas serão detectados e combatidos como só o latrocínio ou assassinato são hoje combatidos.

Uma vez que a atenção se volte para  a grande do essencial como sendo o mais perigoso inimigo da humanidade, serão encontrados os meios de exterminá-la – a evasão, não o evasor – onde quer que se encontre. O problema não é o problema a ser resolvido. O problema é a evasão determinada de qualquer problema maior.

Muitos líderes autênticos defrontar-se-ão com a morte e a extinção de uma forma ou de outra.  A peste estará delirando como nunca. Mas, uma vez trazida para o ar livre e aberto e à luz brilhante do sol, a procriação horrível, maligna da injúria monstruosa e dos pensamentos perniciosos, através dos tempos, lentamente começará a se dissolver. Na mesma medida, a Vida começará a avançar.

Não há razão nenhuma para se preocupar com as formas de existência que a Vida escolherá em sua marcha. Não importa o que escolha; uma vez livre do crônico Assassinato de Cristo, escolherá o que é bom para si mesma, e aprenderá por sua própria experiência o que deve abandonar. A Vida é produtiva, a Vida é flexível, a Vida é decente. Portanto, não te preocupes com o que a Vida escolherá para fazer. A única preocupação é como libertá-la para a ação contra o assassinato de Cristo, contra aqueles que perderam o sentimento da Vida em seus corpos.

Nenhum estrondo ou terremoto acompanhará o deespertar da Vida viva em nossas crianças. Será um processo lento, direto e limpo se a peste estiver anulada, dificultada e retorcida, caso escape da plena extinção.

É absolutamente certo que em nenhum caso a Vida escolherá ou poderá escolher uma forma de existência que seja anti-Vida, contra as crianças, contra a verdade, contra o prazer de viver feliz, contra a realização do florescimento pleno da iniciativa inata em cada simples portador da centelha da Vida. Deixar a vida fluir livremente, desimpedida das distorções que a tornam feia e assassina, será o primeiro passo em direção à liberdade e à paz na terra. Este pequeno insight em si mesmo ativará a liberdade para a ação. O interesse pelo bem-estar do bebê recém-nascido que carrega Cristo dentro de si direto do céu para a terra, é absolutamente geral e não pode ser vencido por nada no mundo; ele mostrará como um poder de dimensões imensas, bem à frente de tudo o que os homens malignos jamais tentaram inventar com o propósito de matar a Vida.

Um novo tipo de homem crescerá e transmitirá suas novas qualidades, que serão as qualidades da Vida irrestrita, aos seus filhos e e filhos de seus filhos. Ninguém consegue dizer como será esta Vida. Não importa como ela será, ela será ela mesma, e não o reflexo de uma mãe doente ou de um parente aborrecido e pestilento. Ela será ELA MESMA, e terá o poder de se desenvolvder, e de corrigir aquilo que impedir o seu desenvolvimento.

Nossa tarefa é proteger este processo contra a peste maligna, salvaguardar seu crescimento, aprender a tempo o que distingue uma criança que cresceu como prescrevia o intesse desta ou daquela Cultura ou Estado ou Religião ou Costume ou idéia estrábica da Vida. Se isso não for feito, não haverá nenhuma esperança de pôr um fim ao massacre em massa.

Em resumo, o novo líder recusará cavalgar para Jerusalém para conquistar o inimigo. Ele se voltará para a corrente da Vida, que é Deus, nos pequenos corpos dos filhos e filhas ainda não nascidos do homem. Sobre eles apoiará sua resolução de não cair na tentação das pessoas a se tornar líder delas, perpetuando seus modos de vida estagnados, não cederá às próprias pessoas cujas vidas precisam ser basicamente mudadas, deixando as crianças crescerem como o Deus da Vida as criou.

A CULTURA E A CIVILIZAÇÃO AINDA NÃO EXISTEM. ESTÃO APENAS COMEÇANDO A INGRESSAR NA CENA SOCIAL. É O COMEÇO DO FIM DO CRÔNICO ASSASSINATO DE CRISTO.

Wilhelm Reich

A Multa do Law Pirâmide da 59


Law Pirâmide é um primo do Franja (Gílson Pirâmide) que caiu no conto da “Dinastia”, induzido pelo parente, e, depois de perder todos os tostões investidos e ainda ficar devendo o equivalente inverso em raiz geométrica proporcional (o fatorial de quatro elevado ao número de brasileiros componentes do mercado de trabalho formal), enlouqueceu e acabou se associando ao Dente Hugo num novo negócio espetacular: exportação de fio de cobre para o Paraguai.

O apelido foi justamente o resultado do logro e do novo ramo adotado, o que lhe rendeu uma ciumeira danada do Franja, que volta e meia é confundido com o primo, assim como ocorria com o Peruca e o Kadu, antes de se consagrar seu apelido no estágio forense (e neste blog).

Por incrível que pareça, o tal comércio exterior de metal recilado acabou por lhe render alguns cobres que lhe permitiram uma bizarra vida dupla.

Durante o dia circula na Várzea do Gravataí com aquela impecável camisa de seda branca, enfeitada com uma tradicional gravata borboleta preta de elástico (que não sabe fazer nó e muito menos tem grana para comprar uma legítima), cumprimentando educadamente todos os vizinhos, e não deixa de atender a um único “pedido” (isto é, ordem, dada aos trambolhões) da namorada gostosa, mas manhosa e autoritária que só lhe dá a cada trinta dias (isto se o Law apresentar o boletim da Ulbra sem nenhuma nota “vermelha”).

Mas basta tomar uma simples dose de absinto depois da meia-noite que, como um “Gremlin humano”, o sujeito se transforma totalmente. Veste uma camisa floreada, chapéu panamá branco fabricado em Santa Catarina, aquela indefectível calça jeans cheia de bolsos nas pernas, um par de mocassins brancos, e sai por aí, com seu sócio, dando saltos sobre os telhados como um cabrito e correndo, até amanhecer, a mais desclassificada zona do “baixo meretrício”, na qual sua predileção é pelas putas pobres que se escondem, na madrugada, intermediadas por seu chapado cafetão de bermuda e camiseta, na entrada da Igreja da parada 59, na divisa entre os municípios gaúchos de Gravataí e Cachoeirinha.

Pois foi como resultado de uma destas investidas que o doido levou uma pesada multa por excesso de velocidade e me enviou, mais pirado do que nunca, o e-mail abaixo reproduzido, que me autorizou a publicar no blog depois que lhe disse que podia interorpor, tranqüilamente, o recurso administrativo, na forma redigida, pois além de adaptado jurídica e factualmente de forma irretocável aos fatos e à natureza da demanda, era digno de figurar nos “anais” do Anarquismo heterodoxo. Segue, para o deleite dos leitores, que devem andar enjoados com o “bom comportamento” deste blogueiro, o texto:

“lustríssimo Senhor Diretor do Departamento Estadual de Trânsito – DETRAN:

RECURSO Auto de Infração nº 6435987-9
Notificação nº 34536782998

Eu, Law Pirâmide da 59, brasileiro, solteiro , portador da cédula de identidade R.G. nº 69432471, do CPF nº69666171-18 e da carteira nacional de habilitação nº1716661824 domiciliado no Município de Gravataí Rio Grande do Sul, venho, por meio deste, requerer digne-se este respeitável Departamento Estadual de Trânsito de determinar a nulidade da multa em questão.

1. Trata-se de multa emitida no dia 02 de novembro de 2009,no Município de Cachoeirinha, em virtude de alegado excesso de velocidade (superior a 20% da velocidade permitida), com o veículo da marca FIAT, modelo Palio, de placa VTC6966, constatado na Avenida Dorival Cândido Luz de Oliveira – Flores da Cunha, altura da parada 59, às 4:35 horas desse dia.

2. Este recurso não tem por fim demonstrar a não ocorrência da infração em si considerada, mas apenas demonstrar os motivos que deram ensejo a essa, e, consequentemente, eximir-se das penalidades que dela decorrem.

3Sou assíduo freqüentador das boates e casas noturnas da região, trafegando diversas noites por semana nas vias deste bairro, sendo portanto profundo conhecedor da localização dos malditos radares que se escondem com o intuito de subtrair desavergonhadamente o tão arduamente dinheiro dos bons motoristas como eu.

4

5Assim, não haveria por que exceder a velocidade exatamente no ponto onde se localiza o radar. Isto posto, segue uma breve narrativa do ocorrido na madrugada do dia 02 de novembro de 2009:

5

6Alguns minutos antes da constatação da infração, estava sozinho no automóvel trafegando pela mencionada avenida , retornando alcoolizado de uma inglória tentativa de obter sexo oral gratuito com as moças que por ali exerciam suas profissões.

7

8Revoltado com minha má performance social, decidi por bem esvair minha cólera através da velocidade nas vias públicas, ciente de estar arriscando minha vida e as de outrem. Ao me aproximar do ponto onde foi constatada a infração, não diminuí a velocidade de meu veículo como de costume, pois na semana anterior havia disparado contra o instrumento de aferição de velocidade e fotografia conhecido popularmente como “radar” diversos tiros, sendo bem sucedido na tentativa de destruir o objeto pertencente ao município.

9

10Entretanto, com a visão parcialmente inabilitada graças a ingestão irresponsável e desmedida (porém proposital e gratificante) de álcool etílico potável, não pude ver que o instrumento já havia sido prontamente reparado, vindo a ter ciência disso somente com o “flash” da fotografia, que, ao ser disparado me causou distração, fazendo com que eu derrubasse meu uísque e perdesse de vista uma gostosa que dirigia um Vectra a qual eu estava perseguindo.

8. Esse breve relato demonstra a inexistência de culpa na prática do mencionado ato, uma vez que esse se deu pelos seguintes motivos:

A) Incompetência do município em comunicar aos motoristas que o aparelho já se encontrava em funcionamento.

B) Má-fé do da administração municipal que providenciou o reparo do instrumento em um prazo infinitamente inferior ao padrão vigente no serviço público com o intuito de prejudicar deliberadamente os motoristas alcoolizados.

Assim sendo, peço que seja declarada a nulidade da infração, a desativação dos radares fotográficos e que os pontos sejam retirados de meu prontuário.

Ainda, exijo a reposição do uísque derrubado e a identificação e telefone da motorista do Vectra Prata, placa PQP2469, cujo flash do instrumento público me fez perder de vista.

Demonstro minha total insatisfação e desaprovação ao código de trânsito vigente, que impede que bons motoristas se valham de suas habilidades de pilotagem na via pública.

Termos em que,
Peço Deferimento.

Gravataí, 5 de novembro de 2009”

O Assassinato de Cristo – VIII


Penúltima parte do último capítulo d’ “O Assassinato de Cristo”:

O novo líder terá mais inimigos entre seus amigos mais próximos e menos inimigos, porém mais perigosos, entre as multidões. Cada místico esquizofrênico, cada fanático religioso, cada político ébrio de poder é seu inimigo potencial ou eventual assassino. Não aderirá à crença no martírio. Desejará viver, e não morrer por sua causa. E ele se preparará cuidadosamente contra o desastre. Terá uma arma carregada em sua casa e, se puder, terá cuidado com quem permite entrar em sua casa. Viverá uma vida solitária e evitará tanto quanto possível a sociabilidade vazia, tagarela, falsa.

Manter-se-á à distância das pessoas, sem, no entanto, desprezá-las ou sentir inimizade por elas. Isso ele terá ganho em árduas batalhas contra si mesmo. Quando inicialmente encontrou a falsa admiração das pessoas e a fúria de seu obter algo em troca de nada, sentiu-se inclinado a se juntar ao líder conservador da sociedade que sabe que as pessoas são assim e que nunca sonhou em mudar isso. Compreenderá inteiramente o espírito do pioneiro americano da indústria dos anos 1880. Mas também superará o “imobilismo” do industrial conservador de 1960.

Compreender os motivos do comportamento das pessoas e mesmo assim não ser vítima da sua piedade por elas e da salvação delas, tal como acontece com o mascate da liberdade, será uma tarefa maior a ser fielmente cumprida. Como podem alguém conhecer a situação de uma mulher do campo com dez filhos e ainda esperar que ela não faça intrigas e que diga francamente o que pensa, exatamente como o sente em suas entranhas?

O mascate da liberdade prolongaria a miséria dela pela tímida “compreensão” de suas intrigas malignas sobre o vizinho, o que significaria confirmá-las. O novo líder poria de quarentena uma mulher maligna, intrigante, através do ostracismo social. A intriga é assassinato e o oposto exato da opinião livre de um homem ou mulher livres.

Os mascates da liberdade são sustentados pelas máquinas de inteligência cerebral cuja única função é manter seus genitais mortos. Essas inteligências cerebrais, walkie-talkie, são os fiadores cerebrais da peste. Elas podem despejar montanhas e rios bem na tua frente. Elas podem conversar fiado sobre o cheiro de cada flor, desde que são microfones secos de uma verdade há muito passada sem emoção ou alma. Elas povoam os gabinetes de muitos governos modernos, progressistasf. ~São os talmudistas do evangelho marxista. São horríveis. Cada sentimento vivo é morto por sua simples presença. Não sabem chorar e não sabem soluçar soluçar. Amam com seus cerébros e odeiam com seus genitais. É impossível ser humano em sua presença. O homem ou mulher de trabalho para eles é um instrumento da “necessidade da histórica”, e nada mais. Portanto, não hesitarão, enquanto eles mesmos estão sentados a salvo no santuário da Manchúria, em mandar milhões de pobres rapazes chineses uniformizados, chamados “voluntários”, para a frente das bocas dos canhões americanos na Coréia, simplesmente para provar a “eterna vigilância e a coragem da vanguarda bolchevista”. São o despontar de uma era mecânica degenerada, formando uma religião a partir de suas elocubrações intelectuais. Tudo isso o novo líder terá de saber.

Ele também saberá que estes mecanicistas crebrais, enquanto fodem a torto e a direito, odeiam o amor autêntico do corpo como a um veneno e portanto obstruirão a ferro e fogo qualquer tentativa de reconstrução da estrutura de caráter humana. Subordinarão os problemas humanos a um único aspecto: o estômago do cão segrega saliva quando ele ouve uma campainha que de outra vez soara ao mesmo tempo que ele via carne. Isso é tudo. Isto não é o materialismo perfeito? É. De perfeito acordo com esta concepção dos problemas humanos, o cerébro deles segrega inteligência quando eles sentem o cheiro de poder. Isto é tudo que restou de um grande ensinamento da emancipação humana.

O novo líder defrontar-se-á com muitos perigos e ciladas. Entre estas, o medo que as pessoas têm da peste intrigante que estrangula seu saber simples em suas gargantas apertadas e amedrontadas. Ele terá de reconhecer os primeiros sinais da presença de uma peste oculta. Terá aprendido que uma única pessoa pestilenta pode transtornar toda uma comunidade pacífica, da mesma forma que uma simples tonalidade errada numa orquestra pode transtornar a mais bela sinfonia.

Saberá que a peste é contagiosa. De algum modo, ela consegue puxar para fora a peste latente nas pessoas mais decentes, ninguém sabe até hoje como. podes perceber que isto está acontecendo pela confusão que, de repente, como se não viesse de parte alguma, irrompe num grupo de pessoas harmoniosamente cooperadoras, se só um caráter pestilento estiver presente; uma vez que tenhas aprendido a farejá-plo, é imediatamente reconhecível por um cheiro emocional definido.

Nosso novo líder defrontará com um outro fato dos mais peculiares: as pessoas que pareciam ser as mais devotadas e confiáveis em sua cooperação com a Vida viva começarão a se reunir em torno do centro que espalha a peste. Parece que isso acontece porque a peste oferece a emoção do heroísmo sem o esforço da resistência heróica. isso parece proteger a alma humana de sua própria profundidade emocional. O processo de reconstrução das estruturas de caráter humanas precisa necessariamente de séculos de esforço vigilante contínuo, persistente, por parte de muitos educadores e médicos da alma. O educador pestilento terá pessoas agrupadas ao seu redor pela simples razão de que prometerá um sistema perfeito de educação sem esforço, dentro do prazo de um mês. É só lhe mandar crianças que ele fará isto. Ou, por que se aborrecer examinando cuidosa e habilidosamente a dinâmica da peste que está envolvida no sistema emocional de alguém? Não é mais simples entregar-se à dianética, que não só cura todos os doentes na brisa de uma simples sopro, mas, além disso, capacita a alma, tão rapidamente purificada, a exercer a mesma ação rápida sobre muitas outras almas doentes?

Porque a peste é o resultado da evasão da profundidade das coisas e porque as pessoas em geral têm medo do profundo, elas rapidamente escolherão a peste e abandonarão a tarefa penosa, a longo prazo, do trabalho decente. Só se isso for plenamente compreendido, é que a peste poderá ser superada nos domínios da educação, medicina, administração social e higiene pública.

Portanto, a nova liderança manterá as múltiplas manifestações da peste sob cuidadosa vigilância. Aprenderá como conhecer em tempo e como atacar diretamente o pestilento obstrutor de todo esforço humano frutífero. A pessoa portadora de peste é vazia e, por isso, covarde. Ela sai furtivamente à noite, mas desaprece à luz limpa e clara do dia.

Os liberais dirão que a peste também tem direito ao livre discurso. Sim, mas apenas ao ar livre, aberto, não no canto escuro do meu quintal, no meio da noite, empunhando uma faca, pronta a golpear-me pelas costas.

O auxílio prestado à peste pelo espírito liberal é enorme. O novo líder terá de vencer a defesa da peste por parte do espírito liberal. Ele reprovará a desculpa de que “sempre foi assim” e que, portanto, pode continuar sendo assim por toda a eternidade.

O novo líder explicará ao liberal que vigiar sorrateiramente um semelhante no escuro da noite, ou mandar-lhe, de presente de aniversário, um buquê de flores que explode em seu rosto, não tem nada a ver com a livre expressão da opinião racional, mas é um covarde Assassinato de Cristo. Passará horas difíceis convencendo o espírito liberal de que mentirosos e assassinos e intrigantes e conspurcadores da honra são criminosos conbtra a segurança da liberdade e felicidade dos homens, mulheres e crianças. Terá de conseguir convencer o mundo ao seu redor de que, finalmente, alguém deve começar a aprender a decifrar honestidade e desonestidade nas faces dos representantes asiáticos ou europeus ou americanos, para distinguir o vil espião do representante de uma administração social.

O menosprezo pela psicologia prática e a demora no estudo da expressão do caráter custaram ao mundo ocidental os segredos sobre sua arma atômica, que tão ardentemente tentaram proteger. É claro que bombas nunca mudarão o mundo. Pôr em ação as qualidades vivas mais profundas das pessoas o mudará. Mas a proteção contra a peste é possível quando se identifica a expressão de um vilão no rosto de um enviado diplomático; isto faz parte da tarefa de pôr em ação as qualidades da Vida viva nas pessoas.

Neste ponto, os espíritos liberais, submissos, tornam-se realmente perigosos. Fracos em suas entranhas, sem nenhuma perspectiva diante de si mesmos, apoiados apenas na grande doutrina do humanismo, válida outrora, entregaram a sociedade alemã aos nazis, e poderão conseguir entregar a sociedade americana aos espiões costumeiros do império reacionário russo. Embora talvez  talvez não o sintam ou não o saibam, esses liberais impressionararm-se profundamente com a habilidade e demonstração de força por parte dos generais da peste organizada; sucumbem à tentação como virgens enfraquecidas pela abstinência que se submetem ao cavaleiro da armadura brilhante. Cuidado com os espíritos que sempre aparecem submissos e de fala macia e que nunca elevam suas vozes com raiva ou revolta contra o mal. Existem muitas víboras entre eles, prontas a trair Cristo em nossas crianças por trinta dinheiros. Estão apenas interessados em suas próprias emoções falsamente honestas. Ao proteger um assassino de Cristo, esquecem que milhares poderiam ser salvos do mal. Indiretamente incumbem a peste de cumprir o que eles mesmos são incapazes de realizar. Suas entranhas são cheias de ódeio verde e de anseio por assassinar. São os mais perigosos na medida em que usam os sonhos mais pacíficos e inocentes das pessoas para seus feitos malignos.

Aprende a apoiar o homem ou mulher que é direito e correto na expressão da opinião e que sabem bem quando amar e quando odiar; o que preteger e o que abandonar à sua própria sorte; que sabe e vive o amor do corpo e a tristeza da alma, e que sabe o que são lágrimas em noites silenciosas. Esses são os odiados pelas máquinas de inteligência walkie-talkie e pelos falsários que babam palavras de mel, com veneno oculto nelas para matar a vítima crédula.

O novo líder tomará cuidado com o oportunista, o saco vazio que salta em teu carro cheio de frutos ricos de teu trabalho árduo para encher a si mesmo até a boca, apenas para te esfaquear mais tarde, ou tornar-se maior que tu e extrair o poder sobre as pessoas de teus esforços intensos, sem mover um dedo.

Cuidado com ele, que não ousar olhar firme e direto em teus olhos, que sempre desvia o rosto de ti para que não o vejas e conheças. Ele será o próximo presidente da tua organização e tomará tudo de ti e te expulsará, não importa o quanto tenhas feito para erigi-lo. E ele não se importará com aquilo que foi tua preocupação por muitos anos. Apenas quer encher seu ego vazio, infinitamente, sem esforço. O pior de tudo é que: ele não sabe absolutamente que te está traindo. Assim se desenvolve sua argumentação: ele não teve tudo vindo até ele, sem esforço? Não será assim porque sua mãe o frustrou quando era um bebê, e, aogra, não terá ele todo o direito de te sugar até te secar e te esvaziar e então te esfaquear pelas costas? É claro que ele tem,  e ele não compreende, de forma alguma, que questiones esse direito. Ele é um daqueles que deturparam o amor combativo de Cristo pelo homem, transformando-o na idéia maligna de que o homem tem de desistir de tudo o que possui para que Modju possta ter tudo em troca de nada.

Da mesma forma, muitos libertadores malingos de povos provêm de uma infância frustrada; mas não importa sua infância. Importam as crianças ainda por nascer.

O líder honesto de homens enfrentará desconfiança para com seus feitos porque esses sanguessugas encheram o mundo com seu sugar ardiloso, assassino, sugando poder e conhecimento e amor e auto-estima e posição e honra daqueles que possuíam esses dons naturais em abundância. Eles nunca poderiam reproduzir e alimentar esses dons, e portanto tinham de continuar a sugar outras vítimas até secá-las, por todas as suas vidas. Desconfiar-se-á da honestidade porque a sociedade humana acostumou-se à conduta desonesta. Se deres honestamente sem esperar nada em troca, serás suspeito de fraude. Se deres tua alma a teus discípulos para fazer deles conhecedores e doadores, o mundo perguntará “onde está a armadilha?”. E isto é assim por causa dos sanguessugas que sugaram o mundo até secá-lo.

Almanaque do Peruca – 5


Algumas anedotas ocorridas com a turma do Peruca nas últimas semanas, que me foram recentemente transmitidas pelo Kadu:

  • Após ficar 3 anos sem quitar seus débitos com o Múnicipio (que queria lhe cobrar ISSQN pela atividade de “reciclador de fio de cobre”, Dente Hugo recebe uma intimação, referente a um processo de execução. Dirige-se, borrado de medo que seja alguma ação criminal, à Distribuição e Contadoria do Foro de Gravataí, e pede, tremendo, para falar com o tal Fiscal.

    O balconista, Nandinho Andarola, depois de lhe fazer um extenso interrogatório (que começou, afetado, com aquela perguntinha cretina: mas qual é o objetivo, meu senhor?), informa-lhe que ali não havia nenhum fiscal, se não o local não seria o Foro, mas a  Secretaria da Fazenda do Estado.
    O Dente, a esta altura mais puto da vida que amedrontado, responde, gaguejando aos saltos:

    – Não Ganja, é aqui mesmo que me mandaram. Diz que é para falar com o seu Anésio, ele é fiscal por aqui. Olha, meu: tá aqui escrito com todas as letras- e mostra um pedaço de papel que tem na mão.
    Nandinho pede para ver o papel e, após lê-lo, desata a rir, como um cavalo emaconhado, enquanto comenta:

    – Ô Vítor Hugo, não é Anésio Fiscal, não.  Isto aí é o “Anexo Fiscal” e fica no terceiro andar!

     

  • Um homem se separou da mulher e foi morar com uma amante. Passados alguns anos, já brocha e sem um tostão furado no bolso, voltou para a cornuda titular, morrendo pouco tempo depois.A esposa, chorosa e compadecido providenciou com todo o primor e devoção o velório do safadarna falecido. Se prestou, mesmo, a convidar seus companheiros de boemia e providenciar cachaça e cavaquinho para a homenagem póstuma. Mas impediu, entretanto, a entrada da amante no recinto, que isto já era uma indignidade.Diante deste impasse, o Dr.  Nênio Gambá, ilustre e etílico advogado indicado pelo Peruca para patrocinar os interesses da “outra”, ajuizou ação requerendo que o falecido “fosse desenterrado para relização de outro funeral, desta vez com a presença de sua cliente”.

    Ubirajara Passos