Bodisatva


Faz uns quatro anos, às vésperas do “fim do mundo”  do calendário maio, comprei meu atual notebook (de que,  embora “ultrapassado” nos conceitos modernosos, não me livro de jeito nenhum, pois, com suas 15 polegadas de tela, possui um raríssimo teclado numérico lateral, independente do teclado alfabético) e desde então adiava a organização dos arquivos de downloads, documentos, fotos… o que somente me animei a fazer hoje, em meio à folga do recesso judiciário.

E, agora há pouco, percorrendo os arquivos de poemas para movê-los a uma pasta específica dos documentos, dei com o sonetinho mal composto, abaixo, que aqui vai publicado para encer a murcilha do Bira e as Safadezas, sem necessariamente encher a paciência dos leitores (assim espero):

 

Bodisatva

De gatos e invernos
A existência
Alimentava no longo rio dos tempos.

E, sob o olhar túrbido do poente,
Flanava entre espessos sonhos,
Fluía em pensamentos soltos,
Ao som espiralado da torrente.

Sua alma era vasto campo
Onde chocavam-se os mais etéreos ventos
E, na umidade absoluta das tormentas,
O olhar vagava, impávido e absorto.

Era colosso em meio à cólera das vagas,
Esfinge na erosão dos séculos
E terno magma ante o entusiasmo de qualquer criança.

Gravataí, 29 de março de 2013 

Ubirajara Passos

 

 

 

 

 

O sono nosso de cada dia


No próximo dia 11 de abril este blog completa exatos dez anos de existência. Pra variar, me parece que foi ontem ainda que postei o primeiro texto (o meu breviário poético anarquista) e este tempo passou como se fosse apenas alguns meses. 

Nos primeiros tempos escrevia freneticamente, porém, desde o início dos anos 2010, este pobre site tem sido cada vez mais relegado  à eventualidade e, ultimamente, quando alguma inspiração desperta, tem sido mais fácil digitar rapidamente algumas frases ao teclado do smartphone (nome fresco para os nossos celulares mais modernos).

Assim, como o leitor atento perceberá, esta crônica nasceu no facebook, hoje, sábado de amanhã, enquanto eu curtia com a Isadora a modorra de estar desperto mas não ter a menor vontade de sair da cama. Mas tão caro me é o tema que rompi o meu jejum bloguístico e aí está o texto, escrito como comentário ao link que divulgava mais uma destas pesquisas americanas, sob o título “Acordar cedo é equivalente a ser torturado, diz estudo

Sempre desconfiei imensamente do discurso de “saúde” e boa disposição dos madrugadores, normalmente pendurado aos lábios dos piores exemplares da falsa moral edificante, que não tem a menor experiência prática com sua pregação (o que se dá, em geral, com ilustres burgueses – ou os lacaios de luxo destes que atendem pela designação de “executivos” metidos a doutrinadores), ou padecem justamente de uma secura própria das vítimas da peste emocional, substituindo, em suas vidas, o prazer genuíno (que é a própria expressão concreta do bem-estar e da saúde) pela compulsão sado-masoquista do trabalho penoso e embrutecedor, de cujo compromisso compulsivo não podem se afastar um único instante para não cair na “pecaminosa” e desestruturadora “gandaia” tão temida.

Creio firmemente que a obrigatoriedade de acordar cedo é, como tudo que é compulsório no mundo, infelicitante, anti-natural e escravizante e serve à redução da maioria da humanidade ao triste e frustrante papel de gado ou máquina a serviço de uns poucos amos cuja vigarice  e vadiagem é protegida em lei e agraciada com os louros da virtude institucional.

Mas não me parece que o início do ciclo biológico humano diário às 10 h da manhã, apontado na pesquisa, seja resultado necessário da natureza humana, cuja essência é justamente a capacidade das pessoas de se desvincular dos condicionamentos rotineiros mais comuns e, subvertendo, na medida do possível, a própria ordem de sua condição animal, criar seus próprios ritmos e modos de vida.

Ele, antes do que uma duvidosa, mas provável,  derivação de nossa condição biológica, é a consequência das bases tecnológicas e ideológicas do nosso quotidiano, onde a imensa maioria da humanidade vive espremida na urbe permanentemente iluminada e vinte e quatro bombardeada pela mídia, que dentro da casa do sujeito mais recluso e avesso à diversão, cria atrativos para que dificilmente durmamos antes da meia-noite ou do início da madrugada.

Como hábito social correspondente a um ciclo natural, o acordar cedo fazia parte de um mundo em que, inexistindo luz elétrica, a imensa maioria de nós vivia no campo, na economia rural, onde é imprescindível se adaptar aos horários dos animais de criação para cuidá-los,  e se dirigir à lavoura nas horas mais frescas, para evitar o trabalho por si só penoso sob as agruras do tórrido sol do meio do dia.

Não havendo o que fazer, e até para economizar os custosos e precários meios de iluminação (a vela, a lamparina, o lampião) as pessoas jantavam e iam para a cama logo após o escurecer e levantam-se, como todos os demais mamíferos de hábitos diurnos, com a aurora.

Nesta época, a meia-noite era o mágico e misterioso horário das assombrações justamente porque não se encontrava NINGUÉM acordado andando pelas ruas (estradas, campos e florestas) ou casas. E quem se aventurase a fazê-lo via-se exposto aos horrores fantasmagóricos da escuridão e da penumbra e aos ruídos estranhos e sobressaltantes da própria natureza.

A imensa maioria da humanidade, neste horário já estava, no mínimo, no meio da noite de sono e daí a umas quatro horas estaria assistindo o nascer do sol e indo dar comida ao pangaré e tirar leite da mimosa.

Ubirajara Passos

Um e-mail das Arábias


Era a milésima vez que recebia por e-mail aquelas versões “internacionais” do golpe do bilhete, do tipo “tenho uma grana enorme que não posso aplicar em meus país conflagrado no Oriente Médio e sei que o senhor pode me dar dicas de investimento em seu país”.

Mas, agora, a coisa era completamente diferente. Viera em português. É bem verdade que num português sofrível, capaz de injuriar o próprio Inácio dos Nove Dedos (e sua sucessora, a “presidenta” aclamadora de mandiocas – na qual a mídia e o aparato institucional da direita explícita andam ultimamente querendo enfiar de vez a mencionada raiz) ou mesmo o patrício de mais estropiado sotaque emigrado do Líbano ou da Palestina. O texto dizia o seguinte: 

“Respondi Urgente Para Investomento!!!
Lamento se meu e-mail incomodá-lo, eu decidi entrar em contato com você, porque eu sinto que você vai me entender melhor ..Estou realmente precisando de sua ajuda,    pois requer uma resposta urgente de você. Por favor, esta é uma mensagem pessoal para você, eu preciso de algumas directivas de você para investir algum dinheiro ou de capital no seu país, EU e meu marido era industrial e um membro do conselho de empresários de petróleo síria em Damasco, Síria. Devido a matanças,decapitações bombardeios e conflito crise guerra em Síria que milhares de civis relatados fugindo como batalha por Aleppo, Síria,intensifica à medida que a guerra se intensifica a partir de hoje, eu não posso investir o dinheiro aqui na Síria isso é quando eu entrar em contato com você E ver como podemos parceria no negócio e intensificar complexo multinacional.
Responder-me explicar melhor para voce nesta e-mail: aishaalrashid1@qq.com

Sra.Aisha Al.Rashid

Por breves e imbecis instantes, o nosso herói quase caiu na asneira de levar a sério a coisa e responder a mensagem da forma como solicitada, já sonhando com a fortuna que poderia abarcar com o tesouro do milionário árabe. Ficou imaginando a imensa e infinda farra que faria num harém particular, contratando as mais gostosas e safadas “odaliscas” dos mais chiques (e também dos mais fuleiros, desde que tivesse aquele rostinho sem-vergonha e aquela malícia ronronante que põe qualquer leão furioso desvairado mansinho como gato de madame) da capital, na qual poderia acabar, literalmente, morrendo de trago e gozo.

Mas, antes que as mãos digitassem apressadamente o que seu cérebro de asno ditava, o zé pelintra que o acompanhava soprou-lhe ao ouvido a tremenda encrenca em que ia se metendo e, ao invés de simplesmente deletar o e-mail, como fizera com os outros tantos, resolveu se divertir e devolveu a tentativa da golpe da maneira mais sacana que encontrou:

“Não se preocupe. Você enviou este e-mail para a pessoa certa. Eu e meu amigo baiano, dr. Luisinho Sugacheca, não temos um único puto na carteira, mas conhecemos todas as putas de Porto Alegre, capital do Sul do Brasil, onde prolifera o negócio mais rentável deste país: a putaria. E moro justamente  na cidade periférica da Região Metropolitana daonde provém a maior parte destas putas!
Podemos, tranquilamente, investir os petrodólares de seu marido num FANTÁSTICO PUTEIRO GIGANTE, com direito a 2 torres gêmeas de 14 andares, cada qual destinado a shows e práticas públicas e privadas de boquete, streap-tease, sessenta-e-nove, sexo anal, vaginal, oral, nasal, umbilical, espanhola, ucraniana e polaca, sexo bizarro com cães, vacas, ovelhas, camelos, gordas, velhas, ciganas e mães de santo em pleno transe da pomba gira kadija al-sacanidi, bem como diversos gays de barba grisalha e com um dedo a menos na mão esquerda (perdido no cu do povo brasileiro), especializados em fuder nações e continentes inteiros como o Brasil e a América Latina.
Para construirmos esta mega instalação e contratarmos os profissionais e a logística adequada necessitamos tão somente da módica quantia de 24 trilhões de euros!

Favor enviar esta grana para a Caixa Beneficente das Putas e Gays do Brasil, agência 024, conta 694324 – titularidade da senhora Dilma-Ahma-Mandyioca-Emmet Abanananopovo.

Aguardamos com muita ansiedade e entusiasmo a sua resposta.

Assinado: Salym Al-Assad-Ocudosviga-Ristasimeim-Becys”

Pelo que se sabe, até hoje, passados uns 3 meses, muito embora nosso amigo, contra os próprios hábitos, acorde de madrugada e salte da cama como um cabrito embrigado para conferir em seu computador, até hoje não recebeu a minima resposta.

Ubirajara Passos

“Recuerdos”


No tempo em que as luzes nasciam no fogo
Em que os candieiros ardiam encharcados
Na embriaguez da querosene,

As noites guardavam profundos mistérios
E as sombras espessas abrigavam, gratuito,
Em capotes pesados os velhos “assombros”.

No tempo em que a música nascia nos dedos
Dos menestréis rústicos, vibrando nas cordas,
Em que o sopro das flautas fazia dueto
Com o minuano gélido que nos arrepiava

Tudo era menor
E o tempo, mais lento,
E vivíamos mais próximo da essência de nós mesmos.

Gravataí, 3 de janeiro de 2016

Ubirajara Passos

Madrugada de verão


Noite velha.
Varandas floridas.
Estrelas cadentes.
Frias ventanias.

Redes balançando e embalando sonhos
Antigos como estampas
Floridas, desbotadas,
Das salas de antanho.

Velha lua bêbada tropeçando em astros
E formando halos cálidos em gélidas nuvens
Com seu bafo amargo de puro absinto.

Gravataí, 3 de janeiro de 2016

Lirismo bêbado


Viaja nas sombras do verão
Uma brisa inspirada que às cigarras
Acompanha num dueto insano.

E, embalado nos ritmos das três,
O velho poeta, no jardim selvagem,
Balança à rde, entorpecido em ondas
Do doce devanieo da cevada.

Gravataí, 16 de dezembro de 2015.

Ubirajara Passos

Sapiência bêbada


SABEDORIA ETÍLICA

Eu vinha retornando do almoço, ante-ontem no início da tarde, quando me deparei, na vitrine de uma dessas lojas de 1 e 99, com estes três fantásticos copos (popularmente conhecidos como martelinho e destinados ao consumo precípuo de destilados dos mais diversos tipos, da canha azul de alambique de Santo Antônio da Patrulha ao absinto importado de França), que, se reforçaram a minha velha noção de que é neles que se encontra a derradeira e profunda verdade, contrariam o que já afirmei em poema neste blog publicado, pois, no caso específico, esta se encontra na lateral e não no fundo do frasco.

Seja como for, porém, sempre soube, por experiência (própria ou alheia), que a natureza das revelações alcoólicas, por mais profunda e inusitada que fosse, não alcançava definições tão óbvias e triviais, embora aparentemente cósmicas e essenciais, como esta:

sabedoria-etíliica

“Quem não bebe não vê o mundo girar”

Pode parecer pueril, mas é simplesmente revolucionária esta constatação da absurda e inexplicável incapacidade de 99,999999999% de nossa espécie (exceto o autor da veneranda sentença é claro) em se dar conta, no uso pleno e  sóbrio dos cinco sentidos do corpo humano, do movimento contínuo, autônomo e eterno desferido no espaço pelo  planeta que se encontra sob os nossos pés. Ao ler a frase me senti exatamente como se tivesse recebido um banho gelado nas fuças, arremessado do décimo terceiro andar ou, levado aquele tabefe de torcer a cara que só as mais furiosas viragos são capazes de aplicar!

Afinal, é bem verdade que Galileu quase foi assado, e Giordano Bruno virou carvão, no churrasquinho disciplinar da Santa Inquisição, por trazer a público a realidade do giro planetário, então tido por absoluta heresia pela Santa Madre Igreja Católica. Mas ninguém, ao menos em estado comum de consciência, jamais experimentou esta verdade científica senão por vias indiretas.

E se muito boêmio folgazão ou corno deprimido, desde os tempos das cavernas, presenciou, durante o transe próprio da possessão de Baco, alguma espécie de giro das coisas ao seu redor, simplesmente supôs tratar-se de um fenômeno exclusivamente epicêntrico, assim como se acreditava até o século XVI que eram os astros e o sol que giravam em torno da Terra.

Não é para qualquer um, portanto, um insight deste peso e, depois de bater de frente com ele, confesso que me sinto completamente deslocado e desolado por não poder permanecer incessantemente em plena consciência do que se passa logo abaixo dos meus pés, em sincronicidade com a terra mãe, a cada instante lento e inglório desta nossa malograda existência. Não tenho mais coragem, especialmente depois de ter casado, mas recomendo aos leitores mais audazes: não se deixem mais enganar, nem viver condicionados na hipnose diária que nos despeja a mídia e se façam senhores da própria consciência entornando o suficiente todo o santo dia para que possam, em pleno domínio dos fatos ao redor, ver literalmente a Terra girar!

Verdadeiro lugar-comum, incorporado mesmo à lengalenga xaroposa e repetitiva do mais reles (e talvez, por isto mesmo, iluminado) mendigo (ainda que, pelo menos na visão de Sartre e seus companheiros de filosofia, não possua exatamente todo este caráter de axioma), o cogito cartesiano (Penso, logo existo), pelo que eu conhecia até o momento, jamais havia sido exposto assim:

sabedoria-etíllica

“Penso logo… pego mais uma”

Haverá, evidentemente, os “eruditos” burros e arrogantes, da pior burrice, aquela digna de português de piada, incapaz de apreciar as sutilezas irônicas de um texto, que não acharão a menor graça e ainda, se der corda, me esgotarão até a última gota de paciência na tentativa de me demonstrar não só a falsidade, mas a completa incorreção, por falta de concatenação lógica entre premissa e conclusão, deste raciocínio.

Mas a pragmática sentença espelha efetivamente a mais pura, elementar e inquestionável verdade imediata, digna de um koan zen-budista destes que nos transportam a um insight profundo intuitivo e imediato – que poderia certamente figurar entre os ensinamentos do grande mestre butanês Drukpa Kunley 

E está aí para nos inspirar a não perder tempo e tratar de mandar ao diabo, de cara,  com um belo talagaço de canha, os efeitos emocionais e físicos dos infelicitantes incômodos de todo dia que que povoam a vida da grande maioria da espécie humana, composta de peões fudidos no trabalho extenuante e jamais recompensado, como nós.

Especialmente nestes dias ansiosos e acelerados de internet onipresente nos mais comezinhos celulares,  a nos importunar, a todo momento, com as informações mais relevantes e reveladoras possíveis, nos “status” de facebook, atualizados seiscentas vezes por dia, e em que nossos caros “amigos” nos dão conta de coisas surpreendentes e inusitadas como o fato de que estão cagando ou se sentindo entediados e infelizes (sabendo-se de antemão, quem os conhece de perto, serem funcionários públicos gaúchos atingidos pelo pagamento de salário parcelado e reduzido a R$ 600,00 pelo governador Ivo-viu-a-uva Sartori, por exemplo). 

Até porque, como dizia, o velho herói dos áureos tempos de Hollywood (anos 1940 e 1950), Humphrey Bogart, e nunca é demais repetir: “o grande problema da humanidade é que está sempre uma dose aquém do necessário”!

Ubirajara Passos