Biseno adverte: aumento da cerveja pode causar a “convulsão social” no Brasil


Conforme noticiado no site do “Jornal Pequeno” do Maranhão (nordeste do Brasil), na última quinta-feira, 17 de março, o preço da cerveja deve subir mais de 10% nos próximos dois meses (repondo a inflação desde o último reajuste, em janeiro de 2009).

A decisão foi tomada pela Associação das Indústrias de Bebidas, após reunião com o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, naquela data, que teria recusado proposta das indústrias de incrementar a produção de cerveja e refrigerantes (um investimento de  sete bilhões de reais que geraria 60 mil novos empregos , segundo o Vice-Presidente do Sindicato Nacional da Indústria da Cerveja (Sindicerv) e da Associação Brasileira da Indústria de Refrigerantes e Bebidas (Abir), Milton Seligman.

Após comentar que os preços do setor, historicamente, só são reajustados uma vez a cada mandato presidencial (o que nos parece extremamente razoável, dada a importância ocupada pelo produto na conformação psicológica e cultural de nossa sociedade), Seligman afirmou que as conseqüências no aumento dos preços ainda não são conhecidas.

Se o representante da patronagem das indústrias cervejeiras e de refrigerantes, por óbvia diplomacia burguesa frente ao governo da mulher mais masculina do Brasil (Dona Dilma dos Cofres Arrombados), não teve coragem  de nominar, o Bêbado Incorrigíveis sem Nome (BISENO) não tem o menor problema, e na defesa dos interesses maiores de seus associados, e da saúde mental dos últimos seres que ainda conseguem gozar um grão de felicidade sobre a terra brasileira, sabe e adverte: as consequências serão as mais graves possíveis!

A redução brutal de consumo deste elixir de primeira necessidade, que ocorrerá com o aumento dos preços,  há de causar, proporcionalmente, um violento baque nos porres e na gaiatagem pelos bares, ruas e praças das cidades afora deste país (além do óbvio prejuízo para o comércio do setor, de que advirá o desemprego de muito pai de família), que ficarão mais tristes e infelizes.

Teremos, como consequência direta o aumento desenfreado de casos de neuroses, surtos de loucura e histerismo, agressões físicas e crises conjugais nos lares, redução da frequencia sexual da mulher feia, exacerbamento das depressões controladas de cornudos e encalacrados, entre tantos outros fenômenos de verdadeiros caos social que se há de instalar.

Isto sem falar na evidente super-lotação de hospícios, consultórios psiquiátricos, hospitais e outros tantos serviços de saúde. E é claro, das delegacias de polícia, onde o fenômeno mais surpreendente será o incremento das estatísticas de suicídio.

Mas, sobretudo, estaremos vivendo num país onde o povo que ainda teima em ser feliz, gastando o pouco que pode de seus cobres para anestesiar a desgraça cotidiana, ou sonhar um pouco ao lado da miséria, tomando aquela cervejinha básica no buteco da esquina, vai ter de abdicar ou reduzir drasticamente o consumo, mergulhando no mais infame e negro desgosto. A própria criatividade artística (popular ou erudita), e o resto de imaginação que ainda sobra (muito pouco) no cenário cultural há de despencar águas abaixo.

Só nos resta o consolo de, quem sabe, as multidões premidas pela abstinência induzida pelo bolso, entrem num tal grau de desespero e desasossego que tomem consciência e coragem para ir às ruas derrubar o fascismo travestido de vermelho que comanda o Brasil no Palácio do Planalto, nos infelicitando a todos.

Ubirajara Passos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s