Paixões, Asneiras e Tristezas finalmente publicado


Jamais usei este blog para promover minha vaidade (que simplesmente não existe, por questões meramente técnicas e não por inclinação emocional, é claro). Tanto que, quando uma crônica deste blog (A foda sagrada de Drukpa Kunley) foi ao ar, na primavera de 2011, com direito a comentários efusivos e sacanas de mais de meia hora em programa noturno da KFK, rádio web de meu amigo Barata Cichetto, não dei a notícia aqui.

Mas este velho livro de poemas foi tão maltratado nas tentativas feitas, no século passado e neste, pelas editoras nacionais, que sua autopublicação no site da multinacional Amazon (em versões e-book e impressa) e no nacional Clube de Autores (versão impressa sob encomenda que pode ser paga com boleto), merece o registro neste blog, no qual seus poemas foram integramente publicados.

Não há no livro, portanto (com exceção da profunda revisão ortográfica e gramatical) grande novidades para os leitores do Bira e as Safadezas, além do possível prazer de ter os poemas reunidos num único volume impresso ou num prático e-book.

Mas, para que a frustração não seja completa, reproduzo abaixo alguns trechos da biografia constante no final, que mencionam alguns fatos ainda não mencionados neste blog sobre a “República” do Alemão Valdir no bairro Petrópolis, em Porto Alegre:

“Com a chegada do sobrinho de Valdir, Rogério Seibt, de Santa Rosa, que se hospedou no apartamento para realizar o curso pré-vestibular, em abril de 2002, se constituiria, no Edifício Morumbi da Rua Amélia Telles, a lendária “República do Alemão Valdir” (que durou até janeiro de 2004, quando o alemão retornou a Santa Rosa), frequentada, entre outros, por Alexandre Vorpagel (o “Gordo Ale”), amigo e conterrâneo de Rogério, que cursava Radiologia na capital, e por Luiz Miranda Pedreira do Couto Ferraz (o “Baiano Luiz”), emigrado de Salvador, formado em Física e Filosofia e emérito boêmio, blogueiro e colecionador de falenas, que Valdir conhecera no Hotel Elevado, na Avenida Farrapos, quando viera morar em Porto Alegre, em 1996, e se tornaria parceiro de cachaçada, boemia e sacanagem de Bira e Valdir na sauna La Luna, na rua Barão do Amazonas.

Aí, na “República” (como Valdir constatara se parecer o apartamento, numa súbita inspiração num almoço de domingo), os fins de semana, e às vezes os dias úteis, eram agitados pelas infindáveis conversas, anedotas e histórias rocambolescas dos frequentadores, sempre devidamente regadas à cerveja, com exceção do “dono da casa”, que mantinha, desde 2001, tratamento com antidepressivos e raramente bebia. Às vezes, na ausência do Luís, em noites entediadas, muitos poemas amorosos deste livro vieram à tona pela primeira vez na internet, nos “chats” do alemão Ale com suas namoradas virtuais, enquanto Bira os lia em voz alta. E aí nasceram uns quantos poemas datados de Porto Alegre, aqui publicados, como “!” , Amargo Mate da Amargura , Embriaguez e Menestrel Equívoco.”

Ubirajara Passos

Anúncios

A FODA SAGRADA DE DRUKPA KUNLEY, O SANTO “bundista” do HIMALAIA


druppappa

Libertário “heterodoxo” e amante apaixonado do prazer, me entusiasmei, desde os meus vinte e poucos anos, não somente com pensadores de carne e osso, como Epicuro (o filósofo do prazer sereno e da busca do conforto no universo subjetivo), Max Stirner (o defensor da insurreição do indivíduo, independentemente do rebanho) e o mestre Wilhelm Reich (o psicólogo do tesão que concluiu que toda vida é produto da energia sexual imanente existente no cosmos – o orgone – e todos os males emocionais e sociais da humanidade são produto da sua repressão e regramento).

Entre os “gurus” que sempre me encantaram figuram também criaturas arquetípicas, entidades míticas como Dionísio (o Baco romano), deus do porre (pai do vinho), das festas, da alegria, do prazer e da orgia, e o Diabo – o grande rebelde cujo demérito, segundo a crença judaico-cristã, foi justamente insuflar o homem à consciência, fazendo-o comer o fruto da “árvore do conhecimento do bem e do mal”, e à liberdade, rompendo com a obediência cega à proibição, de um deus repressor e matreiro, de que se aproximasse da razão lógica e da verdade… está na Bíblia, logo nos primeiros capítulos, não estou inventando nada!

Como ex-católico, o Capeta, evidentemente, sempre foi o meu preferido entre os arquétipos hedonistas e libertários, até porque o ranço anti-prazer da Igreja (defensora do sofrimento e da renúncia… da maioria em prol da bacanal restrita das classes dominantes, o que fica oculto no seu discurso oficial) teve o condão de incorporar ao demônio as qualidades lúdicas e prazenteiras do deus pagão. Tanto que o fiz personagem inspirador dos ensaios em forma de discurso que venho escrevendo nos “Sermões na Igreja de Satanás”.

download

Mas o que jamais imaginei foi a existência de um ser vivo, um homem destes que anda e respira – não mera figura do imaginário – que foi a síntese perfeita das idéias e comportamentos destes autores e personagens, vivendo concretamente o idílio da liberdade e do deleite gaiato e folgazão – o antípoda perfeito do Cristo sofredor, grave e sado-masoquista.

Pois a figura, de historicidade concreta ainda que mais conhecida pela tradição oral himalaiana, foi o lama tântrico Drukpa Kunley, conhecido como o santo budista das 5.000 virgens, que é o padroeiro budista do pequeno reino do Butão – talvez por razões menos religiosas do que se supõe, pois, como perambulava pela região, deve ser o ancestral comum de todos os butaneses étnicos. E tomei conhecimento de sua história, lendo, por acaso, uma matéria na revista National Geographic – Brasil de março.

O sujeito costumava vagar de aldeia em aldeia, na maior parte das vezes peladão, recitando, de improviso, seus poemas iluminados e vivendo, como convém a todo monge doutrinador, da caridade alheia. Mas, como perfeito santo boêmio que era, o Drukpa não dava conselhos à toa: só transmitia seus ensinamentos mais profundos (desenvolvidos a partir da iluminação espiritual, atingida, ainda muito jovem, nos mosteiros budistas) em troca de cerveja. E tinha verdadeiro horror dos monges de outras correntes budistas não tântricas, como a Theravada, de que costumava debochar descaradamente.

Kunley adorava exterminar demônios com seu “raio flamejante” (a enorme piça), cuja reptapeçaria religiosa butanesa com as pingolas flamejantes e protetoras de Kunleyroduções adornam, até hoje, os lares butaneses, que as usam para proteção, devidamente enfeitadas com um “vistoso laço” (é o que diz a National Geographic). Porém, seu maior e mais importante feito (que usar o caralho pra matar demônio é muita falta de imaginação, além de ser uma prática de absurdo mau gosto) foi conduzir, em seus 115 anos de vida (1455-1570), cinco mil mulheres ao Nirvana (a suprema iluminação e a libertação do ciclo de sucessivas reencarnações, apego, perda e sofrimento), fazendo-as gozar com seu divino falo.

Mas não vá se imaginar que o santo farreador era um putanheiro sem qualquer critério e ía comendo qualquer uma pelo caminho – como o boêmio aqui que, pra atingir a humilde marca de oitenta mulheres, só faltou trepar com aleijada, velhinha de asilo ou freira assanhada (esta última até me agradaria, mas não encontrei nenhuma nos cabarés de Porto Alegre). Para ter o prazer de gozar do cacete sagrado a mulher necessitava ser uma dakini – a versão feminina do boditsava (a perfeita reencarnção do Buda), que era reconhecível por ser terrivelmente gostosa e ter aquele ar próprio da suprema sabedoria.

P1000444

O detalhe meritório do sexo sagrado (o tantra), do qual o nosso amigo Kunley foi a expressão máxima, é que, ao contrário das crenças religiosas do histérico (eu escrevi histérico, sim! e não ‘histórico”) Ocidente, busca conduzir ao aprofundamento da consciência transcendente (equivalente à individuação, mediante a incorporação criativa dos conteúdos energéticos da mente inconsciente, do psicólogo Carl Jung) através do que há de mais vivo e benéfico no universo: o prazer carnal mutuamente propiciado entre dois seres.

Ao invés de uma furibunda batalha final (o “armagedom” apocalíptico) entre as forças do “bem” (um deus proprietário e mandão) e do “mal” (um Diabo rebelde e sedutor), a “salvação” (ou antes, a “satisfação”) da humanidade pelo gozo que é “um maremoto de prazer indescritivelmente melhor do que um orgasmo comum, que mantém o êxtase por tempo ilimitado”. E ao invés da valorização da virgindade (que é um desperdício absoluto e só tinha sentido na sociedade patriarcal, onde a mulher era a ovelhinha mais preciosa do rebanho), a suprema glória espiritual do êxtase. Eis uma religião em perfeita harmonia com a vida e a natureza, que justificaria até largar de ser ateu!

BUDA3

Ubirajara Passos