“Recuerdos”


No tempo em que as luzes nasciam no fogo
Em que os candieiros ardiam encharcados
Na embriaguez da querosene,

As noites guardavam profundos mistérios
E as sombras espessas abrigavam, gratuito,
Em capotes pesados os velhos “assombros”.

No tempo em que a música nascia nos dedos
Dos menestréis rústicos, vibrando nas cordas,
Em que o sopro das flautas fazia dueto
Com o minuano gélido que nos arrepiava

Tudo era menor
E o tempo, mais lento,
E vivíamos mais próximo da essência de nós mesmos.

Gravataí, 3 de janeiro de 2016

Ubirajara Passos

Anúncios

Por uma Gravataí para os trabalhadores!


Às vésperas da eleição se enfrentam na cidade gaúcha de Gravataí, região metropolitana de Porto Alegre, no topo das preferências de votação duas tradições políticas formalmente identificadas, nos últimos 50 anos, com a defesa dos interesses e necessidades concretas do povão trabalhador, que constitui a grande multidão da cidade desde que esta iniciou seu processo de industrialização e acelerado desenvolvimento econômico na década de 1960.

Ambas as forças, casualmente, se constituíram no poder municipal como representantes da “ralé” inconformada frente aos desmandos e à modorra do coronelismo arraigado há décadas, em momentos fundamentais da transformação econômica (o início da industrialização, com fábricas como a Icotron, no princípio da década de 1960 e a instalação da filial da General Motors, no final dos anos 1990), sucedendo-se uma à outra como representante da oposição radical renovadora e ambas, após décadas de permanência na Prefeitura, transformaram-se no retrato modernizado da tradição coronelista e conservadora hegemônica anterior, traindo os ideais inicialmente professados e enfronhando-se até o âmago nas práticas clientelistas e subservientes aos interesses dos monopólio empresariais locais, além de transformar o município num puro instrumento de realização dos interesses pessoais mais mesquinhos de apaniguados e cabos eleitorais de seus grupos.

Tanto o PMDB de Marco Alba  – surgido como ícone da oposição ao regime militar e da defesa do povinho do município a partir da eleição de Dorival de Oliveira, ainda pelo PTB popular e revolucionário pré golpe de 1964, sucessivamente como vereador (1959) prefeito (1963 e 1972) e deputado estadual (1982), ao qual sucedeu-se uma verdadeira dinastia do partido (interrompida somente em 1988 pela eleição de José Mota, do PDT) até a derrota de Edir Oliveira (já no PTB, mas egresso do PMDB e sobrinho de Dorival) por Daniel Bordignon (professor estadual e sindicalista do CPERS), quanto o PT deste último (reeleito em 2000 e sucedido por dois outros candidatos do partido, o último deposto por impeachment no ano passado) padeceram do mesmo mal histórico.

Ambos representaram a esperança e a renovação popular e ambos acabaram por transmutar-se no oposto do que representavam, caindo nos mesmos velhos ranços elitistas, oportunistas e coronelistas.

O interessante, e sincronístico, é que estas duas brutais decepções políticas desta cidade nascida a partir do aldeamento de índios guaranis trazidos à força dos 7 povos das Missões, no Noroeste do Rio Grande do Sul (onde viviam num verdadeiro regime de socialismo teocrático), em meados do século XVIII, surgiram como oportunidades históricas de mudança radical, infelizmente frustrada, justamente em momentos em que jamais se poderia supor que a hegemonia vigente de coronelões e demagogos assistencialistas (sucessivamente) pudesse ser batida por uma oposição vinda da camada popular, sem maiores brilhos políticos midiáticos e praticamente inexpressiva na ordem anterior. Este foi o caso exatamente da primeira eleição de Dorival de Oliveira, às vésperas do golpe de 1964, como prefeito, derrotando o domínio incontestado e arraigado há décadas das raposas locais do PSD, ligados ao latifúndio improdutivo e anti-industrialista e de Daniel Bordignon frente ao clientelismo assistencialista e oportunista da constelação hegemônica constituída por MDB/PMDB e família Oliveira,  que governou quase continuamente Gravataí desde 1964, na eleição de 1996.

Pois bem, nestas eleições de 2012, quando ambas tradições se enfrentam novamente, para, fatalmente, dar continuidade a uma política de privilégios e desfaçatez para com as necessidades da maioria dos gravataienses, abre-se, novamente, diante do expressivo volume de eleitores indecisos divulgados, ainda, na última pesquisa, e diante da consciência do povo deste município, uma oportunidade, agora concreta e diferente, de renovação e alteração definitiva deste estado de coisas. Constituída justamente na candidatura, tida por inexpressiva pela mídia vigente, do companheiro Sadao Makino, do PSTU.

Sadao, descendente de imigrantes japoneses estabelecidos com seu trabalho sofrido e produtivo há décadas em Gravataí, residente aqui desde seus dois anos de idade, é a própria cara da massa de gravataienses de nossos dias, constituído por filhos das mais diversas etnias e regiões do Rio Grande do Sul, e mesmo do Brasil, experimentada e forjada na batalha inglória de todo dia pela sobrevivência, sem jamais baixar a cabeça às dificuldades e à arrogância dos donos da cidade, que teima em seguir, e se constituir numa das maiores economias do Estado (como resultado do trabalho não recompensado de seus milhares de trabalhadores), apesar das sanguessugas políticas que se revezam de há muito no Executivo Municipal.

À esquerda Sadao, ao centro, junto à coluna, Ubirajara Passos e Régis Pavani

Eu (que casualmente sou primo em segundo grau de Dorival de Oliveira, cuja casa frequentei na infância, e fui apresentado, jovem brizolista radical e agitado, aos 17 anos, a Daniel Bordignon, então padrinho , na festa de casamento de uma prima minha de terceiro grau, em 1983), conheço Sadao há uma década, como colega de judiciário e como militante sindical (de um grupo de oposição concorrente ao meu) no Sindjus-RS. E posso afirmar, com toda a espontaneidade e falta de discrição que tenho que o japonês Sadao é muito mais do que o personagem aparentemente taciturno, calmo e sem espetacularismos, aparentemente “apagado” diante das estrelas fulgurantes da demagogia assistencialista e mensaleira que dominam a política gravataiense.

Do alto de sua atitude comedida, Sadao é o sujeito mais sério, coerente, persistente, paciente e dedicado, de uma fidelidade a toda a prova, à causa dos trabalhadores seus irmãos, com um sentido de inabalável e imenso de justiça coletiva.

E, desligado do PDT que estou (ainda que não desfiliado formalmente), desde a aliança espúria com o governo do PT no Planalto em 2007, inclinava-me, como bom anarquista, a sequer voto neste ano, mas diante da candidatura do companheiro Sadao me entusiasmei e deixo consignado meu veemente e inédito (pois praticamente nunca me manifestei neste blog sobre a política de Gravataí)  apelo aos meus conterrâneos.

Se o companheiro trabalhador gravataiense que me lê quer uma Prefeitura que rompa com o monopólio do transporte coletivo que sangra nossos bolsos com a passagem mais cara do Estado, enquanto os fofos sócios da Sogil estouram seus lotados bolsos com o nosso suado dinheiro; se quer um Executivo Municipal que utilize os recursos de um dos mais ricos municípios em arrecadação do Rio Grande do Sul em prol do bem estar de seus trabalhadores, devolvendo, através de serviços públicos amplos e de qualidade para a maioria explorada as riquezas que esta gera com seu suor e acabam sendo apropriadas pela meia dúzia de empresários locais e lacaios de multinacionais; se realmente quer ver seus filhos terem direito a uma educação escolar universal, conscientizadora e de qualidade, a um serviço de saúde digno de quem gera a enorme arrecadação tributária do município, através de seu trabalho, não tenha dúvida! Esqueça os velhos lobos em forma de cordeiro que exploram um fantasioso discurso popular, assistencialista e pretensamente socialista, há mais de 50 anos, e vote no companheiro Sadao Makino, nº 16!

Ubirajara Passos