Sagu de merlot


O tédio e uma melancolia pegajosa que me invadiram nos últimos dias (sem qualquer relação com a condenação de Lula, vide minha manifestação ontem no facebook, que será reproduzida na próxima matéria) tem me remetido a velhíssimas e saudosas recordações, de todas as estampas, inclusive caquéticas anedotas, da vida real, como a relatada nesta crônica.

Fato é que, coisa de uns 5 ou 6 anos atrás (já nem me lembro ao certo), o companheiro Carlão (o mesmo que eu havia sacaneado tomando o vinho argentino que lhe prometera, conforme narrado em uma das primeiras crônicas deste blog, em 2006), teve, involuntariamente, a sua vingança daquele fato, sem que saiba até o presente momento, dado o natural constrangimento, e os rogos de minha mulher e sogra, diante dos acontecimentos, que agora já podem ser revelados sem maior impacto.

Tendo se removido, depois de anos como Escrevente em Santo Antônio da Patrulha, para a comarca de Garibaldi, em plena região vinícola do Rio Grande do Sul, o meu velho amigo, colega e companheiro de sindicalismo, foi morar justamente em frente a uma vinícola e assim, tendo acesso na porta de casa, aos mais diversos e refinados vinhos, resolveu me presentear com uma garrafa de um excepcional Merlot que havia degustado, o que me anunciou por MSN ou outro meio de comunicação eletrônica, que na época nem se cogitava do tal zap-zap.

Se encontrando em férias, e eu trabalhando, o camarada deu uma passada uma bela manhã na minha casa (na época eu ainda morava na Rua Barbosa Filho, próximo à casa em que me criei e vivi até casar e à garagem regional da empresa gravataiense de ônibus, a SOGIL), deixando com minha sogra, que andava lá passeando, o valioso mimo. O que me avisou enviando um torpedo para o meu celular.

Passei o dia entusiasmado, ansioso para chegar logo em casa e provar o tão elogiado licor. Mas qual não foi a minha absurda surpresa ao descobrir que, no afã de fazer um agrado para a filha, a velha havia feito um sagu para sobremesa do almoço. E justamente com o meu merlot!

Nem pensei em protestar, pois além de ficar sem o vinho, contrariar a sogra diante da filha me renderia, na certa, uma dor de cabeça pior que ressaca de vinagre, e ainda, a pedido da dupla, agradeci cortesmente ao amigo, quando questionado sobre a qualidade da bebida.

Mas, por óbvio, fiquei puto da vida e mal me consolei com a ideia de, pelo menos, aplacar o paladar comendo o tal sagu. Mas, como diz o velho adágio, desgraça pouca é besteira e nunca vem desacompanhada. E assim foi que, quando me dirigi a geladeira para saborear o fino manjar, descobri que ficara tão bom, mas tão bom mesmo, que a turma comera tudinho e não deixara o menor bocado para um pobre bêbado frustrado.

 

Ubirajara Passos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s