Finais Alternativos para as últimas peruquices


Como já esclarecido ontem, algumas narrativas das Aventuras do Peruca e sua Turma me são sugeridas, ou pré-escritas (como é o caso das duas últimas, que editei o mínimo necessário para fazer correções gramaticais e de estilo) por um personagem de carne e osso da própria turma. E o meu colaborador, no final dos dois últimos textos divulgados, cometeu o deslize de plagiar literalmente piadas de internet publicadas em outro site, o que poderia comprometer a originalidade deste blog e levar os leitores a crer que se trata de um entre outros tantos que pirateia conteúdo alheio. A única coisa que pirateio aqui, volta e meia, assumidamente, são fotos ou ilustrações (como todo mundo faz, e quando a matéria não permite usar imagens originais).

Assim, para desagravo da honra do blog (ainda que, advertido o colaborador, venha a continuar a contar com seus pitacos, ou eventuais versões “pré-fabricadas de crônicas), e para maior prazer dos leitores, publico hoje, como faria um autor de telenovela, os finais alternativos aos já divulgados para:

Aventuras Sexuais do Peruca no Brasil Central:

“Quando todos já haviam perdido as esperanças de saber o motivo da dispensa do Peruca, Paraguaçu, insegura como era, pediu para um subordinado (logo o Nadinho Andarola!) corrigir seus erros de ortografia e concordância, e enviasse diretamente para o protocolo do município a seguinte mensagem, reproduzida fielmente como a que fora escrita pela funcionária, que acabou divulgada para todos pelo corretor safardana:”

Caro senhor Prefeito do Município de Brejóvski – MT:

Demiti o estagiário vulgarmente conhecido pelo codinome de Peruca em razão de ter abusado da “minha confiança”, me utilizando torpemente, através de agrados deleitosos, isto é, delituosos e falsos para me induzir a trair o pulha do meu marido, que já não dá mais no couro, digo, para subtrair das pilhas de processos administrativos do Ministério volumes históricos encadernados em couro, e obter favores e privilégios pessoais funcionais e financeiros como folgas sem justificativa e esvaziar minha carteira, digo, e obter com seu comércio lautos lucros financeiros, além de, na repartição, só cometer asneira.

Há muito tenho constatado suas faltas absurdas, mas deixei-o impune por se tratar de um rapaz bastante atônito, com aparente redução severa da capacidade de raciocinar e discernir. Mas hoje, senhor prefeito, sua sem-vergonhice envernizada de imbecilidade chegou ao auge. Tendo solicitado ao mancebo que, conjuntamente com um funcionário de carreira bastante solícito e prendado nas artes decorativas, tratasse de preparar o ambiente de meu apartamento para um suruba com com os dirigentes regionais do Centro-Oeste do Ministério, desculpe o lapso, preparasse o meu apartamento para uma recepção formal aos dirigentes regionais do MTb, flagrei-o, em plena tarde, na maior pouca vergonha homossexual com o dito funcionário, que teve o peito de, ainda por cima, querer difamar, afirmando que só se dignara a exercer o papel ativo porque lhe fora oferecida a módica quantia de dez reais em troca do favor, além da chantagem de que o delataria às autoridades como estagiário corrupto e imoral”.

_____________________________________________________

Um flagrante do Capeta:

“O delegado, um insuportável nanico conhecido pelo apelido de Doutor Carioca, casualmente gaúcho, estava de bom-humor naquele dia e resolveu dar uma aliviada na situação do dois malucos, propondo:”

-Seus dois safados. Apesar de toda cretinice “transviada”, parece que tem uns probleminhas mentais meio sérios. Nunca vi nenhum viciado aveadar deste jeito com uma simples ervinha. Ou será que pensam que maconha é pra fazer chimarrão? Eu estou aqui no xadrez do “Distrito” com dois casais de travecos me enchendo o saco, se auto-acusando, entre os parceiros de cada um, de violência doméstica e exigindo providências. Se vocês conseguirem convencê-los a ir embora sem registrar queixa e parar com a ladainha, eu libero os senhores e arquivo o inquérito.

Os maconheiros, mais do que solícitos, toparam a parada. E, passada boa hora e meia, o doutor “Carioca” foi à cela conferir o resultado do trabalho dos malucos.

O casal abordado por Maiki Mouse, resolvera, de tédio e indignação, desistir da confusão por não suportar seus bons conselhos de pretenso maconheiro arrependido, que queria, agora, levá-los para um culto da Igreja Universal, que lhes garantiria a redenção moral e mais uma graninha extra, ajudando a queimar uma papelada na “fogueira santa de Israel”.

Mas o surpreendente mesmo foi o casal submetido aos argumentos do Nandinho. De tanto ouvir barbaridades do tipo: “mas, meu senhor, porque o senhor é veado, é por mera vontade ‘involuntária’ de dar o cu ou o senhor sofre de alguma coceira imoral no ânus?”, não apenas se reconciliaram, como estavam cagando a pau o pobre maconheiro!

Ubirajara Passos


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s