O ASSASSINATO DE CRISTO – VII


 

Terceira parte do último capítulo de “O Assassinato de Cristo”, do mestre Reich:

É sempre a estrutura de caráter média daqs massas que determina a natureza e atividade da liderança. Essa tem sido uma das observações mais certas da orgonomia social. Ela é válida tanto para o rei como para o ditador. Reis e duques e ditadores e padres e mascates da liberdade são produtos do povo. Isso vale também para nosso novo líder. O líder do futuro, que terá aprendido bem a lição do Assassinato de Cristo, será também um resultado da estrutura de caráter do povo em geral.

A necessidade de conhecer a importância básica da conduta social do homem mediano foi imposta ao mundo pelas ditaduras que se desenvolveram a partir do brado do povo “Heil, mein Führer. Deve-se esperar que, exatamente da mesma forma, a grande compulsão do povo para Assassinar seus Cristos impeça a emergência de um novo tipo de líder dos homens.

Observe os estas características tal como elas necessariamente devem emergir daqueles traços de comportamento do povo que culminam, periodicamengte, no Assassinato de algum Cristo:

O novo líder terá de escolher entre a aclamação peals pessoas e a fidelidadeà sua percepção do que as pessoas fazem a si mesmas por seu eterno imovilismo. Conseqüentemente, ele fará pouco do que compõem as ações do político de hoje. Não se servirá da aprovação do público. Perceberá que a tal aclamação, por mais reconfortante e agradável que seja, por mais que pareça dser “reconhecimento”, é o primeiro passo certo para a extinção daquilo que ele afirma. Portanto, não se importará ou mesmo tentará evitar tanto quanto possível o que é chamado reconhecimento público. A reivindicação de “reconhecimento” é, da parte do pioneiro, medo de ter de ficar sozinho, e da parte do povo em geral, é covardia de pensar por si mesmo. A reivindicação de reconhecimento é basicamente medo da não-conformidade e do conseqüente ostracismo social.

Isto não significa que o novo lídr desempenhará o papel de uma moça desprezada que não tem com quem dançar. Ao contrário, sentirá maior independência na realização dessas tarefas. Isso exigirá muito maior determinação e força genuína do que se exige do político que escala alguma árvore social. Isso dará muito maior solidez às bases da atividade do novo líder.

Isto não significa que este novo líder irá desprezar as pessoas, ou que não estará desejoso de aclamação pública. Se ele tem de fazer sua tarefa, permanecerá humano até o final. Mas sabendo por que o povo confere honras às vítimas de sua adoração, escapará silenciosamente dessa armadilha, como um bom educador que evita certas ações quando sabe que elas não servirão ao seu propósito último de ajudar adolescentes sob determinadas condições.

Conseqüentemente, o novo líder não “irá ao povo”; não “escreverá para o povo” e não tentará “convencer o povo” da verdade ou da importância social do seu conhecimento. Escreverá sobre que coisas que ele acredita serem  verdadeiras e não para o povo. É extraordinário descobrir como os ensinamentos humanos mais elaborados e mais realistas acabam sendo vítimas do velhos hábitos de fazer coisas “para o povo” ou de “entrar no meio do povo” para lhe ensinar o que parece ser bom para ele.

Se o povo precisa do bem e do amparo e do esclarecimento, deixem-no procurar isso; deixem-no encontrá-lo por si mesmo. Deixem-no desenvolver a habilidade de distinguir as palavras de um vilão ou de um político tagarela ou de um mascate da liberdade, dos ensinamentos de algum homem sério. O problema não é o fato de Hitler ter desejado o poder, mas o fato de consegui-lo. É um grande problema: como puderam milhões de homens e mulheres adultos, laboriosos, eficientes, sérios, deixá-lo ter poder sobre suas vidas.

Nessas mudanças de concepções básicas sobre o povo, o novo líder crescerá em sua tarefa. Uma nova regra, que à primeira vista soa estranha, está tomando corpo:

Se ouvires a salvação ser proclamada de uma maneira que pertence ao passado, deves suspeitar de que a verdade está exatamente na extremidade oposta da linha.

Isto é absolutamente natural em face da característica básica do homem de evitar o essencial e apegar-se ao supérfluo. Se uma geração inteira de psiquiatras, após ter estudado com empenho o núcleo energético das ideáis confusas do homem sobre sua existência, encontrar o sexo frustrado como o denominador comum de tudo, podemos estar certos de que o povo em geral tentará escapar disto e estimulará e tornará famosas as escolas psiquiátricas que eliminarem esta parte crucial do conhecimento, substituindo-a por alguma besteira-padrão, banal, de uns cem anos atrás, vestida como uma boneca nova para se brincar com ela inocentemente. Ela encontrará seu apóstolo que assim se elevará ao topo das ondas da aclamação política. Deixem-nos! Eles não farão muito mal enquanto houver centros que mantenham limpas e claras as questões. Certamente, haverá períodos de desgaste quando a doutrina evasiva cair como uma folha podre e quando aquilo que esteve crescendo em silêncio, por muitas décadas, pronto a emergir na corrente geral dos temçpos, for buscado ansiosamente.

O novo líder sentir-se-á impaciente, mas aprenderá a esperar eternamente. Ele saberá, ou aprenderá pela experiência, que não é possível  às boas coisas da vida subirem ao céu como foguetes, que elas precisam crescer lentamente, que em desenvolvimentos cruciais nenhum passo pode ser saltado sem pôr em perigo o todo, e que as coisas duradouras devem testar suas asas em pequenos perigos muito antes de transformarem o mundo em grande escala, crescendo através dos perigos. Só é possível esperar pacientemente se não tens ambição de conduzir ou salvar as pessoas. Deixa as pessoas salvarem a si mesmas. Fará muito bem a elas aprender como é se afogar devido à própria estupidez. Essas lições nunca são esquecidas e produzem inúmeras novas possibilidades.

O antigo líder teve de aprender como fazer amigos e como evitar fazer inimigos. Para fazer amigos, foi preciso destruir a essência das idéias mais frutíferas. Formulações cortantes tiveram de ser suavizadas a fim de não ofender ninguém, arestas tiveram de ser aparadas, e a expressão indireta teve de substituir a direta e aberta: o modo furtivo, absolutamente de acordo com o medo que as pessoas têm do contato imediato, prevaleceu. Entretanto, o povo sempre prefere o homem decidido ao político. Elas o temem mais, é verdade; elas o evitam e parecem apreciar apenas o deturpado. Mas, no final, sua admiração, mesmo que apenas de uma grande distância, é pela retidão.

Aqui a cisão básica em sua própria estrutura se revela: elas vivem, na verdade, de acordo com as regras da evasão do essencial, mas desejam, ao mesmo tempo, o contato direto, pleno, simples com as coisas. As pessoas acabam se saindo bem, realmente. Conhecer esse medo inicial ao direto e correto nas pessoas é um dos maiores requisitos do novo líder.

O novo líder não tera medo dce fazer inimigos, se for necessário. Não deixará de pensar corretamente pelo fato de alguém poder odiá-lo por isso. Mais cedo ou mais tarde aprenderá que alguns de seus inimigos são amigos muito mais chegados e muito mais conhecedores de sua essência do que muitos dos amigos mais chegados. Ele não tentará provar sua opinião ofendendo as pessoas, mas distinguirá a ofensa pela própria ofensa da ofensa por se dizer alguém que é certo. O que certamente mata a peste política política que assola este século XX é o modo pelo qual os fascistas atacaram seus inimigos com uma verdade profunda, a força do anseio ardente pela Vida; contudo esta força foi usada apenas no sentido negativo, não da forma positiva. Eles realmente não tinham nada a oferecer e foram vítimas do fraco que o povo tem por espetáculos de demonstração de força e resistência. O novo líder será naturalmente firme, mas não terá nenhuma característica intrínseca de showman, na medida em que se trate de ter força. Se necdessário, baterá com força, mas sempre honestamente.

Depois de muitas e perigosas experiências com o apego do homem  ao forte, o novo líder lentamente desenvolverá uma sensibilidade aguda para perceber as pessoas inclinadas a se apegar como um piolho ao cabelo ou como uma sanguessuga à pele. Perceberá o amigo que irá caminhar um pouco para então permanecer no lugar como uma mula, não se movendo nem uma polegada, obrigando assim o agente a refrear o passo ou parar de se mover junto com ele. O novo líder também conhecerá bem o ódio que em geral se desenvolve em pessoas que são deixadas para trás, instaladas no imobilismo. Cuidadosamente, ele se porá em guarda contra essas possibilidades, fazendo menção, constantemente, a esta característica proeminente dos homens que são sanguessugas. Ele lhes dará como que injeções mentais profiláticas, dizendo a eles de antemão o que eles provavelmente estarão inclinados a fazer contra ele caso os deixe para trás, imóveis, sem fazer nada. Para sofrer menos com a perda do líder, eles o farão parecer ruim, menos importante, retratá-lo-ão até mesmo como um mau-caráter.

O novo líder enfrentará a dolorosa tarefa de amar as pessoas e, ao mesmo tempo, não se tornar ligado a elas da maneira como acontece usualmente; conhecer a fraqueza delas, sem desprezá-las ou temê-las. Antes de tudo, ele enfrentará a solidão, a vida em amplos espaços sozinho com apenas alguns amigos. E mesmo esses amigos poderão vir a ser intrusos provocadores ou incômodos, uma vez que todos querem a salvação. Cada um, de algum modo, deseja algo dele. Pouco a pouco ele ficará sabendo, com espanto, o quanto são infinitos os desejos que as pessoas têm de obter coisas. Não o que elas querem. São o desejo e a obtenção que importam. E ele estará bem consciente do preço que lhe é pago pela obtenção: admiração vazia. Conseqüentemente, não cairá na tentação, tão comum ao político, de embeber-se com esta admiração como uma esponja.

O novo líder terá de atuar sem muitas das coisas que usualmente compensam as várias dificuldades da liderança. Não gozará da facilidade com que os movimentos geralmente se difundem por meio da exaltação do líder. Sempre terá consciência de que aquilo que conta é o que um líder descobriu ou disse ou propõe, e não o que ele próprio gostaria de desfrutar. Terá aprendido da história passada que o sacrifício da essência do trabalho duro de alguém é o preço pago pelo sucesso formal. Em suma, sempre terá consciência da tendência bem oculta nas pessoas a ver as coisas apenas no espelho, a assumir grandes coisas apenas para torná-las impotentes, a se preocupar muito mais com a admiração por alguém do que com aquilo que esse alguém ter a oferecer, a se reunir em torno do que não é importante e levar o que é crucial à impotência.

Com isto, o novo líder fará com que muitos se voltem contra ele. Ele terá roubado a esses muitos um objeto ao qual possam agarrar; um pé de feijão sentiria o seu conforto roubado se tirássemos a estaca que o apóia.

O novo líder terá de se arriscar a permanecer ignominioso por toda a vida. Mas também estará certo de que é muito melhor para sua causa e para o bem público ele permanecer sozinho do que ver sua boa causa tomar conta do mundo de forma ruim, de forma contrária ao que se pretendia, a tal ponto distorcida pelas pessoas que poderá desencadear o desastre. Isto se aplicará especialmente quando estiverem envolvidas questões de vida sexual. O animal blindado inevitavelmente criará uma religião da foda a pargtir do fato extraordinário da potência orgástica, assim como criou o sistema mais elaborado, mais infernal de espionagem e de espoliação contra a liberdade a partir da antiga boa conspiração dos combatentes revolucionártios pela liberdade.

O novo líder sentir-se-á de certa forma reconfortado pela convicção de que a verdade e aquilo que é útil ao povo irão acontecer invevitalmente mesmo que isso leve um milhão de anos. Ele ainda não fará nada PELAS pessoas, mas simplesmente fará coisas, fazendo-as bem. Novamente, deixará as pessoas salvarem a si mesmas. Saberá que ninguém mais pode fazê-lo por elas. Simplesmente viverá à frente das pessoas e deixará que elas se juntem ou não a ele. Será antes um guia do que um líder. O guia apenas conta como chegar a salvo ao topo da montanha. Não determina qual montanha o turista deseja escalar. O novo líder pode muito bem estar conduzindo um mundo inteiro sem que ele mesmo saiba que está conduzindo, ou sem o que o mundo esteja ciente de que está sendo dirigido por este único líder. Cristo foi um líder assim. O modo de ser do novo líder, suas idéias, sua conduta e objetivos podem ter penetrado imperceptivelmente  a mente pública, sem que ninguém tenha notado. Pode ser que ele ainda tenha de assumir a culpa por distorções que não são de sua autoria ou por males que nunca propôs, e pode, no final, ser crucificado exatamente como Cristo  o foi, mortalmente. O novo líder saberá que isto poderia muito bem acontecer a ele. Sente-se responsável não pelo povo mas pelo que está acontecendo no mundo, exatamente como cidadão do mundo se sente responsável pelos eventos mundiais. Esta é também uma nova característica da nova liderança: o sentimento de responsabilidade em cada cidadão do mundo por tudo o que está acontecendo, mesmo em cantos longínquos do globo. O saco vazio, tagarela, tapa-nas-costas, mexeriqueiro, piada-suja, fodedor, de um cidadão irresponsável de um páis livre é uma coisa do passado. Isso é certo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s