O ASSASSINATO DE CRISTO – VI


 

Segunda parte do último capítulo de “O Assassinato de Cristo” de Wilhelm Reich:

A partir de sua própria experiência dolorosa e perigosa, nosso líder saberia que tornar-se um líder das pessoas com a estrutura que elas têm significaria que uma das seguintes coisas aconteceria.

Ele se entregaria plenamente aos caminhos do povo e, com ele, permaneceria imóvel no lugar. As grandes promessas e expectativas e programas logo seriam meros recitais de feriados e litanias rotineiras sem nenhum significado ou qualquer sentido. As pessoas estariam silenciosamente desapontadas, mas não falariam muito para efetuar uma mudança, pois tudo isso estaria absolutamente de acordo com o seu letárgico imobilismo. Esse imobilismo continuaria até que aparecesse o tipo mais ativo e aventureiro de líder.

Esse outro tipo de líder seria igualmente uma vítima da necessidade que as pessoas têm de salvação e promessas de céu na terra. O futuro ditador é desse tipo. Ditadores desse tipo se entusiasmam pelos anseios genuínos das massas. São seduzidos a prometer ao povo tudo o que o povo deseja ouvir.

Absolutamente ingênuos e honestos (a menos que demos conta desta honestidade dos ditadores, seu poder sobre o povo não pode ser realmente compreendido), eles juntarão as esperanças do povo, impossíveis de realizar, às suas próprias esperanças, impossíveis de realizar, até que tenham erigido diante do povo um edifício magnificente de um grande império, de um céu final, de poder e glória ou de uma terra onde só mel e leite correm nos rios.

Ao fazer isso, esses líderes acreditam honestamente que conduzem e dirigem as pessoas, que são os salvadores da sociedade. Não têm nenhuma consciência de que apenas caíram presas do mais típico e mais pernicioso dos sonhos dos povos por toda parte. Foram arrebatados por um rio gigantesco, e ainda acreditam que eles são os únicos que fazem o rio fluir. É claro que são apenas marionetes agindo como grandes imperadores do rio que realmente os carrega e os arrebata. Eles não têm a menor idéia a respeito da natureza do rio no qual são carregados desamparadamente; nem saberiam nada sobre como dirigir o rio para um tipo diferente de leito ou como construir uma barragem contra seu poder de inundação. São como os palhaços de circo que fazem certos gestos para fazer o público acreditar que eles são os únicos que fazem o show começar ou para, que movem montanhas no palco pelo simples gesto. São como mágicos que mantêm as pessoas pasamas até que os truques sejam  plenamente revelados e outros mágicos com diferentes tipos de truques apareçam em cena.

Nosso líder, que não é deste tipo, sentiria e se comportaria, pelo menos por um momento ainda, como um ditador, levado por sua inclinação natural a saborear cada pequena porção dos negócios humanos, para conhecer tudo por sua própria experiência pessoal. Nosso líder, portanto, também se deixaria conduzir no topo das ondas de adoração do herói humano. Seu gozo com a louvação teria de ser genuíno a fim de realmente saber como é ser louvado e adorado e encarado como o salvador do povo. Ele seria diferente do verdadeiro futuro ditador na medida em que, mais ou mais tarde, desenvolveria um gosto ruim em sua boca quanto a toda louvação e os gestos do povo à espera de salvação. Certamente ele se sentiria, de alguma forma, esvaziado da seiva de sua vivacidade e produtividade natural. Sentiria que esteve gastando espíritos e idéias. e certamente começaria a sentir a insensibilidade e o vazio das formas estereotipadas, sempre reincidentes pelas quais o povo torna seus líderes orgulhosos de si mesmos. Apenas nos primeiros tempos ele sentiria que o ardor dos discursos é levado a sério; que a determinação manifesta de trazer o bem para este mundo é auto-sustentadora; que, uma vez no poder, era só ir até a miséria e varrê-la com uma grande vassoura.

Embriagado de tal forma por espíritos embusteiros e por uma disposição crescente de salvação, nosso líder começaria a se sentir rançoso. E faria uma das descobertas mais perturbadoras:

ELES REALMENTE NÃO PRETENDEM ISSO. É tudo um espetáculo de bondade. Não é mais do que uma promessa vazia. Isto ele perceberia em pequenas questões; questões que usualmente não chamam muita atenção.

Naturalmente, nosso líder se deve cumprir sua função, tem de saber como trabalhar, como realizar uma determinada tarefa, como fazer a vida com as coisas práticas, como construir uma mesa, como tratar de um ferimento, ou como deter a ansiedade asfixiante em uma criança, ou reparar uma situação confusa de uma família, ou pilotar um helicóptero, ou polir vidro para fazer lentes, ou derrubar uma árvore, ou pintar um quadro, ou decifrar o enigma de uma doença, ou dispor um experimento a fim de resolver um problema da natureza, ou como emprender o tratamento de um adolescente na agonia da frustração genital e muitas outras coisas altamente desinteressantes para a alma de um ditador.

Nosso líder, em suma, saberia como trabalhar e o que realmente significa trabalhar; quanto esforço, esforço detalhado, minucioso, está envolvido mesmo numa pequena realização. Ele sentiria isso. E este sentimento, mais cedo ou mais tarde, fá-lo-ia tomar consciência de que o que as pessoas dizem a ele é apenas conversa fiada. No momento em que tentasse colocá-las a caminho para fazer coisas práticas, elas começariam a desprezá-lo, ou apenas falariam, falariam, falariam sobre o elevado ideal da carpintaria, da medicina ou educação ou indústria ou pilotagem. Mas, na verdade, elas não moveriam um dedo, apenas falariam e sentariam em rebanhos ao redor de mesas agradavelmente arrumadas com comida ou bebidas em cima delas, ou apenas se sentariam imóveis.

A princípio, ele se recusaria a aceitar sua noção nítida de que eles estão apenas falando, transformando cada pequena tarefa prática em meras idéias de fazer isto e aquilo. Instalar-se-iam no imobilismo, como os milhões de camponeses russos se instalaram por séculos, quando não moviam susas costas doentes e rígidas por um pedaço de pão. Instalar-se-iam no imobilismo como o coolie chinês se instalou por séculos, quando não puxava seu riquixá pela rua de alguma cidade grande, suando para ganhar seu pão diário. Este imobilismo os faladores chamam de a natureza filosófica do homem oriental, não sabendo nada sobre a doença de massa do Oriente, que é a rigidez do corpo através da couraça. E, sonhadoramente, falariam sobre o que eles fariam quando arrebatassem o poder sobre uma nação oriental ou ocidental, como eles iluminariam as pessoas e lhes trariam liberdade, e os conduziriam ao Socialismo que inevitavelmente estava chegando, tendo acabado de atingir o fim da primeira fase tal como é descrita no evangelho socialista, e estando a prestes a entrar na segunda fase do desenvolvimento, o Comunismo plenamente amadurecido.

Sentado em meio a essa multidão palradora, nosso novo líder permanecerá calado. Perguntar-se-ia: mas e quanto à mente mística, a crença em fantasmas, e quanto aos rastros de sabujos ferozes às bruxas, e quanto à miséria nas alcovas conjugais, e ao espancamento das crianças por desrespeito, e quanto aos pesadelos daqueles que ingressam na puberdade? E quanto ao trabalho espontâneo, aos cuidados com utensílios, à direção segura, à pilotagem de trens e avi~eos em segurança e a tempo, e todo o resto? O que vocês farão com relação a tudo isso?, ele pode ousar questionar. Oh, isso é mera coisa de burguês. Uma economia planificada dará conta disso. E quem planificará? A Comissão de Planejamento, é claro. E o nosso líder verá com seus olhos interiores as aldeias queimadas dos camponeses ucranianos feridos mortalmente ou mandados para a Sibéria por “sabotagem”. Esses camponeses apenas se instalaram e foram incapazes de mover-se além das tarefas diárias mais essenciais, necessáfrias para manter a vida caminhando; e eles simplesmente não tinham a menor idéia do que estava acontecendo, porque tiveram de ser conduzidos à “liberdade” por rapazinhos ignorantes, espertalhões, que sentiram o cheiro do poder e se embriagaram com ele, e começaram a alvejar camponeses que carregavam o resultado da velha peste de mil anos em suas costas enrijecidas, transmitindo-o a seus filhos por meio de espancamentos.

A partir desta imobilidade do corpo, desta restrição da vida nos membros e nas entranhas, emerge toda a irresponsabilidade, porque as pessoas simplesmente se tornaram incapazes de assumir a responsabilidade; todos estão desamparados, porque foram atirados ao desamparo ou, então, tornaram-se impotentes por um modo de vida cruel, ignorante, de muitos milhares de anos de estagnação.

Rapidamente nossos mascates da liberdade se tornam ladrões de liberdade. Não há mais nada que eles possam fazer, uma vez aque não há nada que eles saibam desta doença de massas. E mesmo que soubessem o que não ousam saber, uma vez que isso os faria fluir, eles não saberiam o que fazer a respeito. O mascate da liberdade não deve ser acusado por esbravejar contra a miséria diante de milhares de ouvintes. Ele DEVE ser desmascarado por NÃO PRETENDER O QUE DIZ, ou, se ele o pretende, por não saber absolutamente como lidar com as coisas depois de atrair as pessoas ao jugo de seu poder com as suas promessas.

Nosso líder sderia arrastado ao mesmíssimo rio de agonia se não fosse um homem do TRABALHO que sabe o que significa lidar com as coisas, FAZER, CONSTRUIR, PENSAR. Uma vez no poder, seria carregado ao topo pela necessidade de salvação por parte das multidões de pessoas imobilizadas; simplesmente para não ser despedaçado por seus próprios admiradores, teria de manter as crianças indo à escola; teria de prover a ñação de pão e milho e batatas e às vezes até de carne. E por ter apenas falado e não ter preparado nada para cumprir as promessas que tão prodigamente fez às multidões, ele agora deve tornar-se o ditador cruel, de forma muito pior do que o industrial do século XIX ou o imperador a quem ele feriu mortalmente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s