O Ventre da Montanha (visão de um sonho em plena consciência)


Estou há três dias cumprindo a suspensão que me foi imposta (cujo desconto da metade do salário antecedeu-a em 23 dias!), sem nenhuma atividade, portanto, além de auxiliar nos afazeres domésticos e andar em casa, pra cima e pra baixo, com a Isadora no colo, conduzindo-a pela mão nos seus primeiros passos, ou simplesmente a acompanhando no andador.

E, no fim da manhã do último sábado chuvoso, acabei por parir, aos quarenta e quatro anos, este poema adolescente, que se insinuou nas minhas guampas, sexta-feira à tarde, quando subia a arborizada e poética Rua Barbosa Filho, no rumo de casa, após gastar uns cobres num “Tri Legal”, na esperança de ganhar um prêmio de loteria.

Ele cheira fortemente a plágio, e parece ter umas cores de Castro Alves ou Olavo Bilac, muito embora, como tantas vezes, tenha se desenvolvido a partir dos primeiros versos, em pura improvisão, diante da visão da montanha andina que nunca visitei, na viagem tão planejada e jamais realizada que eu e o Alemão Valdir faríamos, atravessando o deserto de Atacama, até encontrar o Oceano Pacífico, em Antofagasta, saídos do outro lado do continente, após nos despedir do Atlântico, em Tramandaí. Mas é, entretanto, o único produto, por enquanto da minha “vagabundice institucionalizada” e aí vai publicado para que os leitores possam ter a chance de ler alguma coisa neste blog além da pura (embora ótima) transcrição dos escritos do mestre Reich. Divirtam-se, se puderem:

O Ventre da Montanha
(visão de um sonho em plena consciência)

Silêncio absoluto! A hora é intensa
De uma solenidade sem fronteiras.
A cordilheira aos meus pés se ergue
Como uma catedral gótica rasgando
O céu gelado e tenso do poente.

No coração, envolto em neve, da montanha
Se abre o portal de um espelho transcendente
Que acolhe os raios translúcidos da tarde,
Me convidando a um sono em tons azuis.

Lá, no profundo do seu ventre mágico,
Sei que se encontra o sabor perdido
De um forno a lenha perfumando a tarde
Com sua fumaça, assando roscas de polvilho.

No extremo oeste, a milhares de quilômetros,
Venho encontrar, escondido, bem enterrado,
O crepitar saltitante, o entusiasmo
Bobo de passear na rua
Sob o frio transparente de um sábado à tarde.

Venho rever o encantamento de correr,
Piá solto, o arvoredo, espiando
De longe o canto obscuro
Em que ardem, hipnotizantes,
As chamas de uma ancestral fogueira.

Mas, ao tocar o coração do monte,
Tudo se esvai em cinza, em minhas mãos
Só restam grãos tímidos de sonho,
O mundo berra
Aos meus ouvidos com as contas por pagar!

Levanto, em um salto lúcido, e bato,
Forte, no muro duro e invisível
Do quotidiano de peão metido a poeta.

As correntes da rotina me maneiam
E já não há fuga apaixonada e mística.
Só o torpor de porre de cachaça
Pode me anestesiar de sua aridez intensa!

Gravataí, 24 de outubro de 2009.

Ubirajara Passos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s