PEQUENO DICIONÁRIO ETIMOLÓGICO SOCIAL – 6


Chulo: proveniente do castelhano seiscentista chulo, o sujeito simultaneamente desafiador e gracioso, “insolente”. O adjetivo que tomou em português a conotação de “obsceno” ou “sexualmente imoral” era o termo pelo qual a aristocracia espanhola do século XVI designava, portanto, os membros da ralé (servos e homens livres do povo, trabalhadores) que tinham a coragem de portar-se como gente, exercendo sua própria individualidade, sem submeter-se aos desmandos e caprichos dos donos da sociedade, os nobres, que (como toda classe dominante que existiu desde a Pré-História Humana) se julgavam os únicos dignos de viver segundo seus desejos e necessidades, de prazer e liberdade.

O chulo era o rebelde popular e “coincidentemente” passou para a nossa língua com o significado de grosseiro, agressivo, contrário ao “pudor”, “palavrão”. O detalhe é que sua rebeldia não se exercia de qualquer jeito (que provavelmente incluía a manifestação “inculta” de alguns xingamentos típicos, como corno, puta, etc.), mas pela suprema transgressão de vestir-se com elegância ou afetação própria da nobreza, audácia imperdoável para um reles membro do povão, considerado simples coisa ou gente de categoria subalterna a que não se dava outra prerrogativa que servir de tapete para os dominadores. O chulo, não se deixando pisar, e comportando-se “como senhor” ele próprio, era um perigosíssimo gaiato, capaz de falar de igual para igual com um aristocrata e se dar ao prazer público sem subterfúgios.

Sua transformação, ao ser adotado em Português, como sinônimo para a linguagem sexual ou agressiva franca, aberta e contundente, sem rodeios e firulas, faz, portanto, todo sentido, na medida em que os opressores de todas épocas, donos de escravos, senhores feudais ou burgueses necessitam da hipocrisia, da meia-palavra, do disfarce lingüístico para manter sua dominação  – baseada no encobrimento da crueza da utilização de seus “subordinados” como mera coisa, sob o eufemismo do direito de oprimir ou da “solidariedade e colaboração interpessoal” dos “membros” em diferentes funções no “corpo” social.

E, especialmente no caso da atividade sexual, atividade de puro prazer, contraditório com o sofrimento a que necessariamente ficam submetidos os indivíduos da classe dominada, é essencial à manutenção da ordem mecanizadora da maioria a repressão aos termos populares, não só universalmente inteligíveis, mas grávidos de alegria e volúpia – ao contrário do tom seco e instrumentalista da dita linguagem “científica” que designa coisas como buceta, caralho, foda com cores meramente utilitaristas, ligadas às puras “funções”, descarnadas de emoção e imaginação, de simples “re-produção” do rebanho de servos, como vagina, pênis ou coito.

Ubirajara Passos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s