COM O DIABO LÁ DENTRO!


A frase é um dos lugares comuns mais batidos, ainda que sempre hilário e chamativo: “moço, ele tá com o diabo no corpo” (ou no couro, dependendo da região ou contexto sócio-cultural em que é pronunciada). E nos dá conta de uma realidade, aparentemente, irrefutável, autônoma e sem maiores matizes: o sujeito foi “possuído” (no sentido mais ingênuo e simplório possível) pelo demônio e pronto! Não há mais o que explicar, questionar ou conjecturar. Salta aos olhos a visão do cara furibundo, a baba a escorrer de uma boca furiosa que profere os mais cultos e ferinos impropérios, ou debochados e “pornográficos” xingamentos; os olhos normalmente esbugalhados, o corpo tenso como um tronco de árvore, os membros a se movimentar de forma rápida e ríspida.

Mas o que eu não conhecia ainda, até umas três semanas atrás, é a versão sofisticada e insinuante do adágio. Uma estagiária, que segundo alguns é a versão “feminina” (com todas as qualidades clássicas prováveis que o adjetivo encerra) do Peruca, me entrou, outro dia, em pleno cartório, com aquele ar de quem havia visto o capeta e, tão circunspecta quanto um humorista inglês, nos contou que uma parte em disputa com outra numa audiência do Juizado Especial Criminal (aquele setor que, entre coisas, atende majoritariamente às reclamações do povão a crimes do tipo: “doutor, minha vizinha me chamou de corno”) lhe havia avisado, aos gritos: “moça, é bom chamar os brigadianos (os policiais militares do Rio Grande do Sul) que ela tá com o diabo lá dentro!”.

Juro que se não fosse o tom de humor contido da minha cara estagiária, eu não teria dado maior bola à frasesinha, tomando-a por sua irmã similar e mais comum, e teria continuado a maldita e insossa rotina dos cálculos judiciais – coisa, que no início é até interessante, mas depois de vinte anos se torna mais banal e sem graça que aquela matrona com que o leitor se casou aos quinze anos, gatinha linda, gostosa e doidona, e agora, aos sessenta, se tornou rabugenta e horripilante, o verdadeiro dragão do inferno.

O inusitado da situação, entretanto, despertou-me a atenção para a versão fora do comum da coisa. “Com o diabo lá dentro!?”. Antes de mais nada, dentro de quê? Se estar com o diabo no corpo é algo inespecífico, que não anima muitas dúvidas, o “lá” deixa a entender um órgão bem delimitado, de onde se extrai as mais diversas e estapafúrdias hipóteses!

“Lá” dentro onde? Na buceta, o que pode ser uma resposta tremendamente entusiasmante para os mais inveterados tarados, boêmios ou simples amantes, como eu, da coisa mais gostosa e linda que a natureza criou ? Ou simplesmente no fígado, no pulmão nos rins, caso em que a possível conseqüência, além das obviamente supostas (como no útero, quando poderá, segundo os badalados filmes yankees nascer o anti-Cristo de uma “Rosimeri” qualquer, ou até mesmo o clone do Inácio dos Noves Dedos), pode tanto ir de um devastador câncer a um incremento dos portadores da peste emocional fascista. A idéia de se localizar no cérebro, ou no coração não é muito criativa, já pressuposta na expressão “diabo no couro”, mas, para os cornos mansos, “ter o diabo nos cornos” pode até servir de alguma coisa…

Porém, a coisa não fica por aí. Se está lá dentro por onde (e como) entrou? Sabendo que as possíveis respostas da anatomia (excetuada a capacidade de atravessar matéria sólida) envolvem não mais que uns sete buracos, dos quais pelo menos uns três se prestam à mais safada orgia, devemos crer que não se trata, provavelmente, de um diabo qualquer (se bem que “entrar o diabo pelo cu” é algo meio “vulgar), brigão e impertinente como chefe de repartição pública e maldoso e intrigueiro como puxa-saco de patrão, mas “O Diabo”, com todas as qualidades que justificam sua fama de rebelde e imoral perante o moralismo judaico-cristão, assim como a seus congêneres greco-romanos (Dionísio e Baco), africanos (Exu e seus comandados) ou islâmicos (os djins, gênios não necessariamente identificados com o mal, mas que fogem ao controle da razão burocrática ocidental). Ou seja, um diabo folgazão, putanheiro e sem-vergonha, e, dependendo do possuído, até adepto da Marcha do Orgulho Gay!

Seja como for, o pior de tudo é saber como tirá-lo de “lá”. Afinal, contra um capeta tão sofisticado e especializado (que bem poderia se enfiar no núcleo básico de formação da matéria e energia e criar meios de destruição, ou de transformação inusitada, do mundo “concreto” que conhecemos bem mais complexas que as bombas nucleares ou os pretensos poderes para-normais ou a alquimia) não é qualquer exorcismo de padre gagá, broxa e/ou pedófilo que resolve! E muito menos a atitude bronca e direitosa de qualquer comandante de polícia militar estadual enfrentando revolucionários de palhaçada por aí a fora… Presumo que para expulsar este tipo de entidade infernal somente uma overdose do prazer maior que justifica sua localização na parte precisa do corpo pode surtir efeito! Isto se não for um diabo viciado. Porque aí não tem jeito mesmo.

Seja como for, fica lançado o desafio aos leitores que se animarem a comentar esta crônica: onde é mesmo que o diabo se encontra, por onde entrou e como é que vai sair?

Ubirajara Passos

Anúncios

6 comentários em “COM O DIABO LÁ DENTRO!

  1. Edir Macedo disse:

    Ubirajara, não gostei nada das suas narrativas sobre o demônio! Ele só entra quando a pessoa é pecadora, e, para expulsá-lo, basta pagar o pastor que ele tira rapidinho!

    Curtir

  2. 10 mandamentos disse:

    ………………
    Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos,
    se não tiver amor,
    sou como um bronze que soa ou um címbalo que retine.

    2 Ainda que eu tenha o dom da profecia
    e conheça todos os mistérios e toda a ciência,
    ainda que eu tenha tão grande fé que transporte montanhas,
    se não tiver amor, nada sou.

    3 Ainda que eu reparta todos os meus bens
    e entregue o meu corpo para ser queimado,
    se não tiver amor,

    de nada me aproveita.

    4 O amor é paciente,
    o amor é prestável,
    não é invejoso,
    não é arrogante nem orgulhoso,

    5 nada faz de inconveniente,
    não procura o seu próprio interesse,
    não se irrita nem guarda ressentimento.

    6 Não se alegra com a injustiça,
    mas rejubila com a verdade.

    7 Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

    8 O amor jamais passará.
    As profecias terão o seu fim,
    o dom das línguas cessará,
    e a ciência será inútil.

    9 Pois o nosso conhecimento é imperfeito,
    e imperfeita é também a nossa profecia.

    10 Mas, quando vier o que é perfeito, o que é imperfeito desaparecerá.

    11 Quando eu era criança,
    falava como criança, pensava como criança,
    raciocinava como criança.
    Mas, quando me tornei homem,
    deixei o que era próprio de criança.

    12 Agora, vemos como num espelho, de maneira confusa;
    depois, veremos face a face.
    Agora, conheço de modo imperfeito;
    depois, conhecerei como sou conhecido.

    13 Agora permanecem estas três coisas:
    a fé, a esperança, o amor;
    mas a maior de todas é o amor.

    “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”.

    pobre de vós, que sois servos do maligno , alienados e consumados pelo ódio de lussifer, se nao se arrependerem serao queimados no lago de fogo enternamente, se dão aos praseres da carne e esquecem que há em cada um de vos um espirito, são como marionetes diabolicas manipuladas , mas nao se conformeis pois existe alguem que deu a vida por vós e o que lussifer fez? nada de bom para voces , se voes nao forem eleitos de Deus certamente blasfemarao contra Ele e amaldissionarm esta mesnsagem por que Deus fez vaso pra honra e vasos pra desonra , tomara que vcs sejam pra honra , por que ai daquele que cair nas maos de Deus …Deus é amor , mas em sua ira santa é tambem fogo consumidor!!! satanás nunca se igualará ao criador por mais que tente !!!
    amem!

    Curtir

  3. Caríssimo “10 mandamentos”: confesso que fiquei “apavorado” com a fúria do seu comentário em torno de uma simples crônica satírica em torno do “tinhoso”.
    Já fui católico e confesso que, apesar de todo seu autoritarismo anti-prazer, o cristianismo que conheci não era tão mal-humorado e ingênuo. Mas enfim, para não me repetir, recomendo ao caro leitor que leia o texto “Uma profissão de fé na vida, no verdadeiro amor, na liberdade e na espontaneidade”, em que exponho a um crítico religioso semelhante a ti o meu ponto de vista concreto sobre o assunto “Diabo”. Gracias, y hasta la vista!

    Curtir

  4. kerla disse:

    como alguem pode escrever isso eu fui pesquisar e escrevi errado e achei isso mas o texto e muito legal. Parabems pela grande ideia de fazer esse texto

    Curtir

  5. carla disse:

    vc que ficou com o diabo no corpo?
    como é?
    o que ele faz com vc?

    Curtir

    • Cara Carla: conforme se pode constatar do próprio texto, quem ficou com o capeta no couro foi uma pobre favelada envolvida em algum caso de injúria do tipo “minha vizinha me chamou de puta” no Juizado Especial Criminal da minha comarca. Não tenho, portanto, além das conjecturas feitas na crônica, a menor idéia de como seja a fantástica experiência de coabitar com o Tinhoso no interior do próprio ser e muito menos do que ele faça quando lá se encontra. Mas, com certeza, um dos fenômenos típicos de sua possessão deve ser o de forçar suas vítimas a postar perguntas sacanas na internet.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s