O Mestre Pancius de Goró e Línguas


A total falta de saco me impediu de escrever, hoje, qualquer texto teórico ou as pauladas, necessárias e adiadas, sobre o projeto federal de quebra da estabilidade dos servidores públicos e a cretinice da diretoria pelega do Sindjus-RS frente ao autoritarismo do Tribunal de Justiça – que, aliás, bloqueou o acesso dos servidores, no local de trabalho, a este blog, – o que se constitui em censura, por óbvias razões políticas – e, estranhamente, a sites listados no “blogroll” sem nenhuma relação com as questões da instituição, como o Blog d’Arkan Simaan (ilustre físico libanês radicado no Brasil desde os dois anos de idade – ou seja, brasileiro nascido no Líbano -, professor universitário, com livros publicados, na França desde os anos 1970!). Parece que seu passado revolucionário, em decorrência do qual, durante a ditadura gorila de 1964, teve de se exilar na Europa, se tornou algo explosivo e inadmissível para a justiça gaúcha… a partir do momento em que viu seu nome associado – por mera listagem no “Bira e as Safadezas…” – ao pobre “subversivo” que sou! (e, ao que parece, cometi um crime não previsto na “Constituição Cidadã” de 1988, e rechaçado pela Declaração dos Direitos Humanos da ONU: o crime de opinião!)

Mas, questões políticas a parte, somente a inspiração da “fada verde” possibilitou-me escrever mais um capítulo da fábula Erótilia, que vai a seguir transcrito:

 

O Mestre Pancius de Goró e Línguas

A gorducha criatura rodopiava enlouquecida (parecia um buda cocainado) e, quando viu o “noviço” desperto, se pôs a bater palmas e gritar entusiasmado:

– Queres fuder? Queres fuder? Queres fuder? Queres fuder? Queres fuder?…

– Zeloso mestre, que história é esta? Com vosso mantra estás é a me fuder a paciência! Podeis dizer-me onde me encontro? E o que é da minha túnica?

– Vamos fazer uma festa? Vamos fazer uma festa? Vamos fazer uma festa?

– Só se for com vossa genitora, guru ensandecido! (Epicuro começava a irritar-se e mal continha a xaroposa formalidade de neófito dogmático)

Pancius estacou de chofre, e com os olhos esbugalhados, encarou o discípulo, resfolegando como um touro, negaceando a cabeça como um doido furioso e, à vista do piá, que correu aos tropeços para trás de uma coluna granítica, quase se cagando, num gesto brusco levou a mão ao bolso e sacou de um bornal de vinho!

Vamos chamar umas putas? – E, entornando vinho pela barba grisalha, começou a berrar aos quatro ventos, enquanto dançava saltitando:

-Buuuundaaaaaaaaaaaaaaa!Tetinha,tetinha,tetinha!Buuuundaaaaaaaaaaaaaaaa!!!…

Dançarinas semi-nuas (vestidas apenas com um tapa-sexo) de todas as “pelagens” (loiras, ruivas, morenas, negras e amarelas) despencaram de trás das árvores, saltitando ao som de flauta, e se puseram a rodar com o pirado monge ao centro, que se atirava sôfrego aos seus seios e, entre uma mamada e outra, enquanto apalpava as doces fêmeas, disparava:

– Buuundaaaaaaaaaaaaaa!!! Tetinha, tetinha, tetinha!!!

Epicuro, entusiasmado, empertigou-se, e já ia metendo a mão em uma tigresa negra, as outras lhe apalpando o “cetro” enorme com gritinhos de que “coisinha lindinha e fofinha!”, quando foi detido por dois enormes guardas com cara de mongóis, pelados e de falo em riste, que lhe suspenderam pelos braços, enquanto Pancius dispensava as raparigas.

– Podeis lançá-lo ao solo agora! – E Epicuro, num tombo estrondoso, esparramou-se no chão, erguendo-se com dificuldade, enquanto os gigantes se afastavam e o gordo mestre, descobrindo o capuz, se apresentava:

– Sou Pancius, teu instrutor nos primeiros passos para a iniciação à nossa crença. Comigo aprenderás, estabanado “noviço”, as artes do goró e das línguas…  do nosso idioma ao bom uso que faz o teu degustador órgão do paladar na doce xana de uma fêmea da espécie humana! Antes de qualquer prática mística, terás de apreender os mistérios do teu corpo e da tua mente, e antes de usares a dura vara digna do futuro Príapo, terás de aprender como propiciar ao rubro coral mulheril o que muitas vezes não consegue o teu “cajado”, usando a mole e escamosa “cobra” que te roça o céu da boca!

– Excusai-me, mestre, sou um mancebo ignorante de mulheres e sério amante da sabedoria, e até há pouco nunca hei visto semelhantes maravilhas! Mas creio que ao calor de vossa excitante música libertei-me de minhas amarras racionalistas e xaroposas e junto a vós hei recebido a luz! Deixai voltar as linda pombas-rolas da verdade e vos demonstrarei o quanto já me inclino a aprofundar-me nos insondáveis e intensos mistérios da Deusa!

– Ouvi-me, ó imberbe e estouvado noviço! Fostes achado junto à Cascata Plenilúnica, com metro e meio de língua para fora, a babar-se e interferir no equilíbrio da montanha. Nossos guardas vos trouxeram através de um túnel incógnito, a que só tereis permissão de percorrer de volta quando estiverdes devidamente liberto de vossas justificações conscientes. A deusa e seus segredos estão mergulhados no mais profundo da espontaneidade e só após, pelo cansaço da atenção que julga, teres perdido todo cálculo mental pré-meditado, podereis atingir o âmago da energia que é vossa essência e a mãe do movimento de todos os seres! Mas para isto é necessário aprender paciência! Não desejar, nem tomar decisões pensadas e pesadas, mas agir por pura inércia e inspiração sensível. Antes de provardes dos prazeres do supremo gozo e da transmutação recíproca é necessário o desapego e o mergulho na torrente sem encilhas do universo! Assim, te dou a primeira lição do vosso aprendizado: Vamos tomar um goró! Vamos tomar um goró! Vamos tomar um goró! Vamos tomar um goóóóóóóóóóóó!!!

E, fazendo-o sentar-se na relva, Pancius serviu-se, e ao iniciado, do tinto líquido, até desmaiarem ambos de tanta beberagem, e mergulharem nos misteriosos caminhos do princípio eterno e inominado de tudo!

Ubirajara Passos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s