PELEGADA CUTISTA TRANSFORMA O “LUTAR É PRECISO” NO ALMANAQUE DO BIOTÔNICO FONTOURA


Na verdade a comparação é até lisonjeira, e esculhamba o próprio almanaque, pois o primeiro jornal do Sindjus-RS publicado pela gestão “Pra Somar” deixa a desejar até para as velhas cartilhas do Mobral (o “movimento brasileiro de alfabetização”, criado na fase mais cruenta da ditadura fascista inaugurada no primeiro de abril de 1964, lembram?).

Pois, como os velhos almanaques de farmácia, o que não falta são coloridíssimas e enormes fotos (que, quando não dos pelegos dirigentes, nada tem a ver com a categoria, de que não aparece nem sombra de imagem). Seções como o “Espaço Aberto” (que permitiam a manifestação livre da base) e as tiras de charge foram simplesmente extintas, e o jornal se transformou num panfletão que, além de repetir, na capa, as balelas sobre o endividamento da entidade e as falsas denúncias de pretensa alienação do patrimônio social (frases ridículas como “Encontramos o sindicato endividado” – depois se descobre na página 6 que a dívida abissal é de apenas R$ 23,3 mil frente a uma arrecadação mensal de mais de R$ 80.000,00! – e “Isso sem contar com os processos indenizatórios ajuizados que poderão onerar nossa entidade”) utilizadas na campanha eleitoral, simplesmente nada diz!

Na página 2 se estampa uma enorme foto colorida com quatro braços entrelaçados , que ocupa todo o espaço, numa óbvia alusão ao nome da chapa, que se repete no título e na matéria da página 3, sobre a posse da nova diretoria, decorada por óbvia foto dos pelegos e pela lista dos novos diretores executivos, e onde se fica sabendo que o coordenador-geral da entidade fez um discurso que se resume a repetir pretensos feitos passados das gestões petistas (“saneamento das finanças” – a gestão anterior a tal feito era da mesma turma: então roubaram e depois consertaram? -, “compra da sede própria” – feita com chamada extra no bolso dos sindicalizados -, e “a vitoriosa campanha da URV” – na verdade ocorrida na gestão “sindicato é pra lutar”, tudo o que os pelegos fizeram foi gastar rios de dinheiro com uma camiseta publicitária para beneficiar seus parceiros da empresa de propaganda “Interlig”, a mesma que agora edita o jornal), e que “Agora, ao retornarmos ao sindicato, ao invés de dividir a categoria, queremos continuar somando vitórias”. Como, não se sabe, nem se diz.

O mesmo tom vago percorre as matérias da página 4, onde se menciona uma reunião do Sindjus com a pelega Abojeris e o pelego Simpe, cujo máximo detalhe está estampado na frase “Nos encontros as entidades debateram diversos temas, avaliaram as campanhas de interesse das categorias e definiram trabalhar em conjunto em todas as demandas que forem possíveis”. Notícia mais vazia e inespecífica, só mesmo a informação logo abaixo, sob o título “Mudança nas Assessorias”, que é tão longa e circunstanciada que reproduzo na íntegra: “As assessorias Jurídica e de Comunicação e o serviço de Psicologia serão as primeiras mudanças pelas quais passará a estrutura do Sindicato. As mudanças já estão em andamento e a previsão é de que, em breve, já possamos informá-las e passar a atender à categoria de forma qualificada, atendendo as necessidades e expectativas de todos os servidores”. Até previsão de baralho de falsa cigana esmiuça mais. E a velha notícia poderia ser resumida assim: as assessorias competentes já estão sendo demitidas para assegurar o loteamento de suas verbas entre os companheiros do PT”.

A página encerra com a notícia da primeira reunião de planejamento do Conselho Geral, na qual se fica sabendo que “o encontro serviu para discutir e elaborar o planejamento da atual gestão” (Pedro Bó, o retardado afilhado do sertanejo Pantaleão, no velho programa “Chico City”, seria capaz de exclamar surpreso e boquiaberto, diante deste texto: “a reunião de planejamento serviu, então pra planejar, padinho?!” e receberia a óbvia resposta; “Não! Foi pra cagar, Pedro Bó!”). Mas, no último trecho o jornalista “aprofunda” sua reportagem ao dar conta de que “durante a reunião, também foi avaliado o processo de transição do mandato anterior para o atual e feito um diagnóstico minucioso (grifo nosso) da herança deixada. O objetivo é construir um modelo de administração que, de fato, represente os trabalhadores do Judiciário do RS.” A impressão que temos é de que planejaram tanto que até esqueceram os planos.

Mas não sejamos injustos! Nem só de conversa fiada e oca, destinada a encher páginas de papel como murcilha e render lucros para seus aliados cutistas da “Interlig Propaganda Solidária” (de que era sócio, nos anos noventa, o marido de uma diretora petista do antigo Sindjustra-RS, responsável por um escândalo financeiro no referido sindicato, envolvendo a empresa), o falido (tão falido que se permite gastar com um informativo para nada dizer) Sindjus vive em seu jornal. Também há as matérias revolucionárias e de “estrito interesse dos servidores” (que muito agradarão aos que detestavam ler matérias “sobre o Iraque e o Haiti” na gestão anterior).

Na página 7, por exemplo, ocupando menos espaço que uma enorme foto de terra rachada, se encontra texto sobre o “Aquecimento Global”, na contra-capa (no mesmo estilo gráfico), matéria sobre “A Questão Racial”, na página 6 um resumo comportado e inócuo sobre a questão do “Aumento dos deputados”, e finalmente, na página 5, a matéria doutrinária: “Lei de greve – Sindjus participa dos debates”.

Em que, como convém a todo pelego apoiador de Lula, a máxima crítica que a direção permite fazer é a exigência da presença de dois terços da “categoria” e não dos “sindicalizados” na Assembléia Geral que deflagrar uma greve. Os “ingênuos” diretores do sindicato afirmam “apavorados” que, “por este critério, os servidores do judiciário estadual só poderiam realizar uma greve geral (sic) se aproximadamente seis mil trabalhadores participassem da assembléia, já que a categoria chega a dez mil servidores”.

Esqueceram de avisar aos ilustres e combativos pelegos que a maior greve do judiciário contava com no máximo um terço dos sindicalizados (1.000 trabalhadores) na Assembléia Geral que a deflagrou, em 1995! E que o problema não está na base de cálculo (total de sindicalizados ou total de trabalhadores da categoria abrangida pelo sindicato), mas no quorum de dois terços (que é absurdo, irreal e tem por fim impedir a legalidade da greve), seja qual for o universo do seu cômputo.

Encerrando a discussão, para não destoar do peleguismo envergonhado dos seguidores do Inácio, ao invés de rechaçar o projeto da “Lei de Greve”, os nossos amigos informam que “o movimento sindical, que reúne os servidores públicos, está tentando conseguir mudanças na proposta antes que ela seja apresentada ao Congresso”, pois desafiar o projeto de Lula no parlamento (e, que horror, nas ruas), isto é que não podem os nossos caros cutistas!

Em resumo, a pelegada do PT está mostrando, no seu primeiro informativo, a que veio: para nada! E ninguém se admire, supondo que isto é preguiça ou incompetência. Esta é a sua missão real (manter o Sindjus quieto, mudo e comportado como totó de madame), senão como é que o patrão e a classe burguesa em geral vão poder nos explorar tranqüilamente?

 

Ubirajara Passos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s